Entretenimento

“Ela era amorosa e atenciosa”, revela primeira chefe de Lady Di

Mary Robertson empregou Lady Di como babá do seu filho. Meses depois, Diana Spencer se tornaria princesa Diana.

Mary Robertson, em entrevista à série de documentários ‘Diana’, da CNN, revelou alguns detalhes da jovem Diana Spencer, de 18 anos. Mary empregou Lady Di por vários meses como babá de seu filho pequeno, Patrick, em 1980 e este foi o último emprego da futura princesa de Gales antes de seu casamento com o príncipe Charles em julho de 1981.

Ela disse que Diana era uma adolescente “tímida” sem “experiência no mundo”, que conquistou a todos com sua personalidade “muito tátil” e “atenciosa”. Na época, Mary Robertson era uma executiva estadunidense que morava em Londres e contratou Diana porque precisava de ajuda para cuidar do filho pequeno. “Quando Diana veio até mim como uma babá tímida de 18 anos, ela tinha muito pouca experiência no mundo, praticamente nenhuma, e ela era simplesmente maravilhosa com Patrick. Ela sentou no chão com ele e ela estava totalmente focada nele”, disse Mary.

Leia mais sobre a Família Real britânica

Diana trabalhava para os Robertsons três dias por semana, ganhando US $ 5 a hora no papel e, nos dias que ela não estava cuidando de Patrick, ela trabalhava como professora em uma creche. que ela reforçou ao assumir uma posição como professora de creche nos dias em que não estava cuidando de Patrick.

Anteriormente, em uma entrevista em 2017 à Inside Edition, Mary Robertson revelou que não tinha ideia sobre a origem aristocrática de Diana quando a contratou e nem sabia que ela adolescente estava namorando o príncipe Charles na época. Ela só soube do romance quando Diana a avisou sobre fotógrafos paparazzi que estavam acampados do lado de fora da casa dos Robertson. “Ela disse: ‘Quando você sai para trabalhar esta manhã, há repórteres e fotógrafos no final da rua’. Eu perguntei, ‘para quem eles estão lá?’. Ela disse: ‘Eles estão lá para mim’”, disse Mary.

“Uma de suas características mais fortes era que ela era muito tátil, ela queria abraçar as pessoas, estender a mão para tocá-las. Ela tinha uma personalidade calorosa e confiante. Ela era amorosa e atenciosa”, finalizou Mary.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos