logo
Representação / Imagem de Daniel Reche por Pixabay Representação / Imagem de Daniel Reche por Pixabay
Estilo de Vida 21/07/2021

Mais de 80% das mulheres já foram assediadas enquanto praticavam exercícios ao ar livre

Os dados impactantes foram obtidos através de um estudo realizado com mulheres praticantes de corrida ao ar livre.

Correr e praticar exercícios ao ar livre deveria ser algo prazeroso. Aproveitar uma bela paisagem e conhecer novos espaços enquanto exercita o corpo auxilia na liberação das endorfinas. Mas, para grande parte das mulheres, essa experiência deixou de ser agradável. Recentemente, uma pesquisa realizada em Londres, mostra que 84% das mulheres entrevistadas já foram assediadas enquanto praticavam exercícios ao ar livre.

Foram considerados assédios de diversas maneiras. Propostas, xingamentos, assobios e piscadas são as formas mais comuns entre as citadas no estudo da Universidade de St. Mary, em Twickenham.

No estudo também foram entrevistados homens, que mostraram uma realidade bem diferente. 50% dos entrevistados disseram nunca ter passado por qualquer situação de assédio durante os exercícios, sendo que quase a metade disseram se sentir seguros durante corridas ao ar livre. Já entre as mulheres, somente 18% relataram sentir segurança, enquanto 23% disseram se sentir inseguras.

Estudo mostra uma realidade além do imaginado

Os autores do estudo, conforme noticiado pelo Mirror UK, disseram: “Tradicionalmente, o assédio nas ruas tem sido frequentemente enquadrado como uma questão feminina, o que é inútil não só porque homens também podem vivenciar esse tipo de situação, mas principalmente porque o número esmagador dos autores de assédios nas ruas são homens”.

A pesquisa reforça o problema representado pelo assédio nas ruas. Experiências de objetificação, vulnerabilidade, medo e vergonha resultantes de casos de assédio criam barreiras para realização de atividades ao ar livre.

Confira também:

As descobertas realizadas por meio destas entrevistas ressaltam o que foi percebido em um estudo anterior, realizado no ano de 2019. Nele, 71% das mulheres disseram ser regularmente assediadas em ambientes propícios a prática de exercícios, como academias. Sendo que este fator se torna tão relevante a ponto de fazê-las cancelar a assinatura e interromper a prática.