logo
/ NASA/JPL-Caltech/MSSS / NASA/JPL-Caltech/MSSS
Estilo de Vida 30/06/2021

Cientistas da NASA estão mais próximos de explicar o mistério do metano em Marte

Por : Metro World News

Cientistas da Agência Espacial Americana (NASA) estão mais próximos de explicar o mistério do metano em Marte.

Como revelado, por meio de comunicado, antes de identificar as fontes de metano em Marte, os cientistas devem resolver uma questão que os atormenta: por que alguns instrumentos detectam o gás e outros não? O rover Curiosity da NASA, por exemplo, detectou repetidamente metano logo acima da superfície da cratera Gale. 

No entanto, o ExoMars Trace Gas Orbiter da ESA (Agência Espacial Européia) não detectou nenhum metano mais alto na atmosfera marciana.

O instrumento TLS mediu menos da metade por bilhão em volume de metano, em média, na cratera Gale. Isso equivale a cerca de uma pitada de sal diluído em uma piscina olímpica. Essas medições foram pontuadas por picos desconcertantes de até 20 partes por bilhão de volume.

Como detalhado pela NASA, o orbitador europeu foi projetado para ser o padrão ouro para medir metano e outros gases em todo o planeta.

Ao mesmo tempo, o TLS do Curiosity é tão preciso que será usado para detecção precoce de incêndio na Estação Espacial Internacional e para rastrear os níveis de oxigênio em trajes de astronautas. 

Também foi licenciado para uso em usinas de energia, oleodutos e aviões de combate.

Onde os pilotos podem monitorar os níveis de oxigênio e dióxido de carbono em suas máscaras.

Cientistas mais próximos de explicar o mistério do metano de Marte

Ainda assim, Webster e a equipe SAM ficaram chocados com as descobertas do orbitador europeu e imediatamente começaram a examinar as medições de TLS em Marte.

Como detalhado pela NASA, alguns especialistas sugeriram que o próprio veículo espacial estava liberando o gás. 

Outros membros da equipe Curiosity que estudam os padrões do vento na cratera Gale, levantaram a hipótese de que a discrepância entre as medições de metano se resume à hora do dia em que são feitas. 

Por precisar de muita energia, o TLS opera principalmente à noite, quando nenhum outro instrumento Curiosity está funcionando. 

A atmosfera marciana é calma à noite, Moores observou, então o metano que vaza do solo se acumula próximo à superfície, onde o Curiosity pode detectá-lo.

O Trace Gas Orbiter, por outro lado, requer luz solar para localizar o metano a cerca de 3 milhas, ou 5 quilômetros, acima da superfície. 

Imediatamente, a equipe do Curiosity decidiu testar a previsão de Moores coletando as primeiras medições diurnas de alta precisão. O TLS mediu o metano consecutivamente ao longo de um dia marciano, comparando uma medição noturna com duas diurnas. 

Como detalhado pela NASA, a cada experimento, o SAM aspirava o ar marciano por duas horas, removendo continuamente o dióxido de carbono, que constitui 95% da atmosfera do planeta. 

Cientistas da NASA estão mais próximos de explicar o mistério do metano em Marte
NASA/JPL-Caltech/MSSS

Uma molécula estável que deve durar cerca de 300 anos

Isso deixou uma amostra concentrada de metano que o TLS poderia medir facilmente passando um feixe de laser infravermelho por ela muitas vezes.

Com isso, ajustado para usar um comprimento de onda preciso de luz que é absorvido pelo metano.

Embora este estudo sugira que as concentrações de metano aumentam e diminuem ao longo do dia na superfície da cratera Gale, os cientistas ainda precisam resolver o quebra-cabeça global do metano em Marte. 

O metano é uma molécula estável que deve durar cerca de 300 anos em Marte antes de ser dilacerada pela radiação solar. 

Se o metano está constantemente vazando de todas as crateras semelhantes, o que os cientistas suspeitam ser dado que Gale não parece ser geologicamente único, uma quantidade suficiente dele deveria ter se acumulado na atmosfera para o Orbitador de Gás Traço detectar. 

Como detalhado pela NASA, os cientistas suspeitam que algo está destruindo o metano em menos de 300 anos.

Experimentos estão em andamento para testar se descargas elétricas de nível muito baixo induzidas por poeira na atmosfera marciana poderiam destruir o metano, ou se o oxigênio abundante na superfície marciana destrói rapidamente o metano antes que ele alcance a alta atmosfera. Confira

Cientistas da NASA estão mais próximos de explicar o mistério do metano em Marte
NASA/JPL-Caltech/MSSS

Texto com informações da NASA

LEIA TAMBÉM: