Estilo de Vida

Sonda espacial da NASA revela mistério por trás de grande fenômeno do planeta Júpiter

A magnetosfera de Júpiter é principalmente povoada por partículas que escapam da lua vulcânica.

A missão Juno da Agência Espacial Americana (NASA) revelou, nesta semana, detalhes sobre o mistério por trás de um grande fenômeno do planeta Júpiter.

Foi detalhado pela primeira vez o nascimento de tempestades aurorais – o brilho da manhã, único nas espetaculares auroras de Júpiter, como informado por meio de comunicado.

Essas imensas exibições transitórias de luz ocorrem em ambos os pólos de Júpiter e haviam sido observadas anteriormente apenas por observatórios terrestres e em órbita terrestre.

Os resultados deste estudo foram publicados na revista AGU Advances. Descobertas pela primeira vez pela Faint Object Camera do Hubble em 1994, as tempestades da madrugada consistem em um brilho e alargamento de curta duração, mas intenso, do oval auroral principal de Júpiter – uma cortina de luz oblonga que envolve os dois pólos – perto de onde a atmosfera emerge da escuridão na região do início da manhã.

Conforme revelado pela NASA, antes de Juno, as observações da aurora ultravioleta jupiteriana ofereciam apenas vistas laterais, escondendo tudo o que acontecia no lado noturno do planeta.

  1. CONFIRA MAIS:
  2. Alerta sobre asteroide que passará próximo à Terra nesta sexta-feira (19)
  3. Escavando a superfície de Marte, equipamento da NASA identifica condições incomuns no solo do planeta vermelho

“Observar a aurora de Júpiter da Terra não permite que você veja além do limbo, no lado noturno dos pólos de Júpiter», disse o pesquisador Bertrand Bonfond.

«Explorações por outras espaçonaves – Voyager, Galileo, Cassini – aconteceram de distâncias relativamente grandes e não voaram sobre os pólos, então eles não puderam ver a imagem completa».

“É por isso que os dados do Juno são uma verdadeira virada de jogo, permitindo-nos compreender melhor o que está acontecendo à noite, onde nascem as tempestades da madrugada», completou.

Conforme revelado pela NASA, os pesquisadores descobriram que as tempestades da madrugada nascem no lado noturno do gigante gasoso.

Conforme o planeta gira, a próxima tempestade do amanhecer gira com ele para o lado diurno, onde essas complexas e intensamente brilhantes feições aurorais tornam-se ainda mais luminosas, emitindo de centenas a milhares de gigawatts de luz ultravioleta para o espaço.

O salto no brilho implica que as tempestades do amanhecer estão despejando pelo menos 10 vezes mais energia na atmosfera superior de Júpiter do que a aurora típica.

  1. CONFIRA MAIS:
  2. NASA enviará robô móvel ao polo sul da Lua para identificar concentração de gelo
  3. Telescópio Hubble da NASA capta ‘imagem macabra’ no espaço

Gigante Júpiter

“Quando olhamos para toda a sequência da tempestade do amanhecer, não pudemos deixar de notar que eles são muito semelhantes a um tipo de auroras terrestres chamadas sub-tempestades», disse Zhonghua Yao, co-autor do estudo na Universidade de Liège. ”

Conforme revelado pela NASA, as substâncias resultam de breves distúrbios na magnetosfera terrestre – a região do espaço controlada pelo campo magnético do planeta – que libera energia para a ionosfera do planeta.

A semelhança entre as sub-tempestades terrestres e jupiterianas é surpreendente porque as magnetosferas de Júpiter e da Terra são radicalmente diferentes.

Na Terra, a magnetosfera é essencialmente controlada pela interação do vento solar – a corrente de partículas carregadas fluindo do Sol – com o campo magnético da Terra.

A magnetosfera de Júpiter é principalmente povoada por partículas que escapam da lua vulcânica Io, que então ficam ionizadas e aprisionadas ao redor do gigante gasoso por meio de seu campo magnético.

Conforme revelado pela NASA, essas novas descobertas vão permitir aos cientistas um estudo mais aprofundado das diferenças e semelhanças que impulsionam a formação da aurora.

Com isso, proporcionando uma melhor compreensão de como esses mais belos fenômenos planetários ocorrem em mundos dentro e fora do nosso sistema solar.

Com informações da NASA

LEIA TAMBÉM:

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos