Social

Ataques deixam ao menos 200 mortos na Nigéria

Ataques realizados por homens armados deixaram ao menos 200 mortos ao longo desta semana.

Ao menos 200 pessoas foram mortas durante ataques armados realizados no estado de Zamfara, região noroeste da Nigéria.

Conforme a publicação realizada pelo Meganoticias, os dados sobre os ataques foram divulgados por meio de um relatório disponibilizado pelo governo.

As declarações foram feitas por um porta-voz do ministério, em nome da ministra de Assuntos Humanitários, Sadiya Umar Farouq. “É horrível e trágico. Mais de 200 pessoas foram enterradas hoje (domingo) devido à ação de bandidos”.

“Também estamos preocupados com as centenas de pessoas que estão fugindo de suas comunidades”, destaca o comunicado.

Os confrontos na região são registrados há anos, sendo que as regiões centro e noroeste da Nigéria foram, por anos, base de grupos criminosos que atavam vilas e realizam assassinatos e sequestros em troca de pagamento.

Nova onda de violência preocupa as autoridades

Os ataques foram classificados pelo governo nigeriano como sendo “atos terroristas”. Por este motivo uma alteração na lei foi proposta pelas autoridades. A alteração envolve não somente os indivíduos que atuam ativamente na realização dos ataques, mas também informantes e apoiadores deste tipo de ação.

Muhammadu Buhari, presidente da Nigéria, condenou abertamente os ataques ocorridos ao longo da semana por meio de um comunicado divulgado no último sábado.

Confira também:

Até a data de divulgação do comunicado presidencial, moradores locais declararam à Agência AFP que ao menos 140 pessoas foram mortas por grupos armados em mais de dez cidades do estado de Zamfara.

Segundo as informações, centenas de homens armados invadiram bairros e cidades atirando em moradores, saqueando e incendiando casas.

Por sua vez, as forças armadas nigerianas declararam que somente nesta semana 537 criminosos foram executados, sendo que desde maio do ano passado mais de 300 foram presos. Ao todo, 452 civis foram liberados em casos de sequestro.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos