Social

“Eu sobrevivi a um serial killer”, diz mulher que foi sequestrada aos 15 anos

Hoje, aos 34 anos, Kara Robinson Chamberlain contou como conseguiu fugir de seu sequestrador, Richard Evonitz, um assassino em série e estuprador que já havia matado três meninas.

Sequestrada enquanto regava plantas, Kara Robinson Chamberlain conseguiu fugir do serial killer que antes havia matado três garotas. Ela conta em depoimento assustador.

Kara Robinson Chamberlain tinha 15 anos quando um homem a forçou a entrar no carro portando uma arma de fogo. Ele era Richard Evonitz, um assassino em série e estuprador que já havia matado três meninas. Agora, com 34 anos, Kara contou como ela sobreviveu ao seu sequestrador, que a acorrentou à cama e a manteve presa por 18 horas enquanto sua esposa estava na Disney World.

Em entrevista exclusiva ao The Mirror, Kara é hoje mãe de duas filhas e mora em Columbia, no estado da Carolina do Sul. Ela disse: «Quase no instante em que senti a arma tocar a lateral do meu pescoço, foi, ‘OK, vá com ele, faça o que ele diz e seja o mais agradável que possível’. Deixe-o pensar que você não vai revidar, de modo que, quando o fizer, vai pegá-lo desprevenido.Foi uma mudança instantânea para o modo de sobrevivência”.

Sua experiência foi contada no documentário ‘Escaping Captivity: The Kara Robinson Story’, que será exibido no próximo mês no canal estadunidense TV Oxygen.

Leia mais:

  1. Jovem de 19 anos mata irmã mais nova durante férias; em foto saem abraçados
  2. Mulher que matou amigo em festa de aniversário é condenada
  3. Baleado, taxista pula de carro em movimento para escapar de assalto em SP; assista ao vídeo
  4. Menino de 13 anos é preso após corpo de criança de 5 anos ser encontrado em rio

Relembre o caso

Era 24 de junho de 2002 e Kara planejava ir nadar com amigos do colégio depois de passar a noite na casa de um amigo. Vestida de pijama, ela regava flores para a mãe da amiga quando um carro passou e voltou momentos depois, parando na garagem.

O homem ao volante era Richard (Marc) Evonitz, que estava rondando o bairro procurando por sua próxima vítima depois de assassinar três meninas: Sofia Silva, 16, e as irmãs Kristin, 15, e Kati Lisk, 12, alguns anos antes.

Kara disse que o motorista não parecia «assustador» quando se aproximou dela e perguntou se seus pais estavam em casa. Quando ela explicou que a mãe de sua amiga não estava em casa, Evonitz se aproximou e disse que estava distribuindo brochuras.

Kara disse: “Ao mesmo tempo ele colocou uma arma no lado direito do meu pescoço e veio com ele ou ele atirava em mim. Ele me acompanhou até o lado do motorista do carro, abriu a porta, puxou o banco para a frente e me disse para entrar”.

Forçada a entrar no carro de um desconhecido em plena luz do dia, ela tentou controlar as curvas do carro fazia. Kara disse: «A partir daquele momento eu meio que percebi que ele provavelmente não me deixaria ir e que caberia a mim sair e fugir. Eu queria reunir o máximo de informações que pudesse para descobrir onde eu estava e quem ele era para identificá-lo mais tarde”.

Evonitz parou o carro, um Pontiac Firebird verde, à beira de uma estrada enquanto se preparava para levar Kara para seu apartamento sem que os vizinhos percebessem.

Ele a amarrou e colocou uma mordaça em sua boca enquanto ordenava que ela ficasse quieta até levá-la para seu apartamento.

Kara disse: «Fiquei 18 horas lá com ele. Ele me deu drogas e me agrediu sexualmente várias vezes. Ele me disse que me deixaria ir quando ‘acabasse’ comigo, mas como sou a pessoa teimosa que sou, pensei: ‘Não vou esperar por você’”.

Kara fez perguntas e estudou o apartamento para reunir detalhes sobre seu captor – descobrindo que ele estava na Marinha, memorizando os endereços de seu dentista e médico com ímãs em sua geladeira e percebendo que uma mulher morava no apartamento com ele.

Ela sofreu um ataque de pânico quando Evonitz a colocou de volta no contêiner enquanto ligava para sua esposa, que estava no Walt Disney World com sua sogra. Ele a forçou a assistir a um noticiário na TV para ver se havia alguma cobertura de seu desaparecimento.

Kara disse: «Eu não tinha dúvidas de que iria escapar. Era apenas um meio de saber quando e como, e eu fui capaz de fazer isso«.

Na manhã seguinte, Evonitz estava roncando ao lado de Kara em sua cama depois de algemá-la e amarrá-la ao quadro. Com cuidado e silenciosamente para não acordar seu sequestrador, Kara conseguiu deslizar uma das mãos para fora das algemas, que tinham um anel azul erótico ao redor delas. Evonitz o comprou o anel para usar com a garota.

A adolescente desfez a contenção da perna direita. Finalmente libertada da cama, ela se vestiu e foi até a porta da frente, mas a porta estava bloqueada pelo recipiente de plástico, por objetos domésticos e por um aspirador de pó pendurado em um armário que tinha portas sanfonadas.

Kara disse: «Foram 30 segundos olhando para a porta e pensando, ‘como vou fazer isso?'». Em um movimento rápido, ela moveu os itens, empurrou o aspirador de pó no armário e fechou-o, abriu a porta da frente e saiu correndo.

Kara disse: «Esse foi provavelmente o mais rápido que meu coração bateu durante todo o tempo em que estive lá. Eu sabia que se eu o acordasse e não obtivesse sucesso em sair, provavelmente seria quando eu me machucaria e quando sua natureza sádica entraria em ação”.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos