Entretenimento

Silvio Santos não deve apresentar o ‘Teleton’, pela terceira vez

Segundo a direção do SBT, o apresentador e dono do canal ainda não confirmou o retorno aos estúdios da emissora, em São Paulo

O SBT está preparando uma nova edição do “Teleton”, que deve ir ao ar em outubro. Porém, uma das especulações é de que o apresentador Silvio Santos não compareça nesta temporada, que será transmitida direto dos estúdios do SBT, em São Paulo. O mesmo aconteceu em 2019 e 2020, sendo que no primeiro ano ele estava gripado e no ano passado ele estava cumprindo o isolamento social,  por causa da pandemia.

Segundo a direção da emissora, a presença de Silvio Santos não seria uma boa ideia, já que o dono do SBT recuperou-se recentemente da covid-19 e, após o susto do diagnóstico, ele não marcou a data do seu retorno aos estúdios. De acordo com o R7, Silvio Santos só deve voltar a gravar após a 3ª dose da vacina do apresentador.

Neste ano, o “Teleton” contará com  show e a participação de inúmeros artistas, como Dilsinho, Maiara & Maraisa, Simone & Simaria, Gustavo Mioto, Lexa e Ludmilla. Além deles,  o público também contará com a presença dos padrinhos oficiais: a apresentadora Eliana, o cantor Daniel e o apresentador Celso Portiolli e a apresentadora Maísa.

Recomendados

LEIA MAIS:

  1. Justiça muda classificação etária do ‘Programa Silvio Santos’
  2. No ‘Mais Você’, Tiago Leifert conta que não estava feliz
  3. Série ‘Verdades Secretas 2’ não contará com elenco original
  4. Pyong Lee testa positivo para covid e fica fora do ‘Ilha Record’

Outra novidade deste ano é a participação das influenciadoras digitais Belly Palma e Lari Mariano, como consultoras da Campanha Teleton 2021. Outros destaques da campanha e do programa são Pequena Lô, Paola Antonini, Jackson Follmann e Fernando Fernandes.

Com o tema “Inclusão”, o “Teleton” deste ano tem como meta arrecadar R$ 30 milhões, para continuar seus atendimentos. O programa será realizado nos dias 22 e 23 de outubro, ao vivo, e terá duração total de cerca de 12 horas. 

O grande desafio deste ano está no engajamento das pessoas. «Resolvemos este ano detalhar os números, tanto das pessoas físicas e jurídicas. Em 2016 tivemos 52% de doações de pessoas físicas. Em 2018 caiu para 32%. Em 2019, vimos a porcentagem cair ainda mais, para 29% e, em 2020, em que não colocamos meta, caiu para 15%», explicou Edson Brito, superintendente de marketing e relações institucionais da AACD, que aguarda 12 milhões de doações de pessoas físicas para manter atendimento no próximo ano. 

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos