logo
/ Reprodução / YouTube / Divulgação / Reprodução / YouTube / Divulgação
Social 01/06/2021

Vídeo faz apelo por jovens desaparecidos na floresta amazônica; ‘Se fosse filho de um empresário ou político eles estavam aqui’

Jovens que desapareceram há mais de 50 dias, mas dão sinais de vida na floresta.

Os adolescentes Renato Siqueira de Jesus e Fabrício Barbosa, de 13 e 14 anos, estão desaparecidos desde 8 de abril na floresta amazônica em Calçoene, no extremo norte do Amapá. No entanto, as buscas atualmente são realizadas apenas por voluntários.

Em um novo vídeo divulgado no YouTube, Rafael Cambraia, um dos líderes da equipe de busca – formada por populares, amigos e mateiros – fala sobre a situação difícil das buscas por falta de apoio.

Ele explica que um grupo de nove pessoas percorreram entre de 40 km dentro da floresta amazônica em busca dos meninos, os quais acreditaram estarem com vida e desorientados devido a possível ingestão de frutos tóxicos da mata.

“Na condição que os meninos estão e com as buscas sendo coordenadas somente por voluntários, fica aí esse recado para as autoridades que poderiam estar ajudando com a toda a estrutura que tem de equipamentos mais modernos e financiar apoio para quem está de voluntário na selva. (…) Se fosse um filho de político ou de empresário, eles estavam aqui até hoje”, desabafou Cambraia.

O desaparecimento na mata

Renato e Fabrício não foram mais vistos depois de saírem para colher açaí em uma floresta que possui mata fechada, pontos alagados e diversos rios.

“O assentamento fica em uma região de mata muito isolada e distante, e eles tinham ido lá pela primeira vez, a região é cheia de montanhas e igarapés, o que facilita você se perder”, afirmou Cambraia ao portal de notícias O Metropolitano.

Os jovens saíram sacos de cebola, facões e uma lona, materiais necessários para extrair açaí. A cachorra que os acompanhava foi achada cinco dias após a desaparição.

A família dos meninos são de agricultores humildes. Edneide Siqueira de Jesus, mãe de Renato, declarou há um mês, em 1 de maio, que acredita que o filho está vivo.

Confira a entrevista dado ao Seles Nafes:

Na mata, foram encontrados marcas de facões em árvores, pegadas e até mesmo uma cabana. Tudo foi registrado e compartilhado pela equipe independente de busca nas redes sociais.

Publicado por Helton Brazão en Viernes, 14 de mayo de 2021

É importante recordar que os familiares e as equipes de busca precisam de doações para continuar a procura dos jovens.

Pix: 756.268.292-53

Maiores informações: 98420-3784

Ponto de arrecadação em Macapá: Av. Pedro Baião, 1501, Trem