Foco

Mãe disse para filha em mensagem que ‘estava feliz’ antes de morrerem em queda de helicóptero, em SP

Além das duas, acidente aéreo deixou mais dois mortos; investigação tramita como homicídio culposo

Buscas ainda são realizadas

Luciana Rodzewics, de 46 anos, a filha dela, Letícia Ayumi Rodzewics Sakumoto, de 20, que morreram na queda de um helicóptero que seguia para Ilhabela, no litoral de São Paulo, chegaram a trocar mensagens de celular pouco antes da tragédia. Na conversa, a mãe falou para a filha que, apesar da situação que estavam enfrentando, estava feliz. Além das duas, morreram um amigo e o piloto no acidente.

A conversa entre mãe e filha foi revelada pelo site G1. Conforme a reportagem, a troca de mensagens ocorreu às 14h11 do dia 31 de dezembro, minutos depois que Letícia enviou fotos para o namorado mostrando que o helicóptero tinha feito um pouso forçado na região de Paraibuna. Depois disso a aeronave tentou retomar o voo e acabou caindo em uma área de mata.

A troca de mensagens foi encontrada no celular de Luciana. Nela, a mãe disse para a filha: “Deus sabe de tudo” e “estou feliz também”. Logo na sequência, Letícia respondeu: “Sim, mãe, relaxa”.

Além das duas, morreram na queda do helicóptero Raphael Torres, de 41, que era amigo da família e fez o convite para o passeio, além do piloto Cassiano Tete Teodoro, de 44.

Tragédia também matou dois homens

Relembre o caso

A aeronave partiu da capital paulista com destino a Ilhabela, no último dia 31 de dezembro, véspera de Réveillon, mas sumiu dos radares poucas horas depois e não fez mais nenhuma comunicação.

De acordo com a Polícia Militar, a aeronave com prefixo PRHDB, modelo Robson 44, decolou às 13h15 do Campo de Marte e fez seu último contato às 15h10 daquele dia, enquanto sobrevoava a região de Caraguatatuba.

Conforme o Departamento de Operações Policiais Estratégicas (Dope), uma antena em Paraibuna identificou sinais do celular de Raphael Torres até às 23h54 do dia 31 de dezembro, dia do desaparecimento. Antes disso, na mesma região, o sinal do celular de Luciana também já tinha sido captado na mesma região, até às 22h14 do dia 1º de janeiro.

Eles seguiam para Ilhabela

A aeronave foi localizada pela PM exatamente nessa região na manhã do último dia 12 de janeiro. Depois disso, helicóptero H-60 Black Hawk, da FAB, se deslocou até o local com uma equipe especial de resgate, que encontrou os corpos das quatro vítimas.

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) divulgou um relatório preliminar, no qual destacou que o helicóptero colidiu com a vegetação antes de cair. As investigações seguem em andamento.

Já a A Polícia Civil informou que a queda do helicóptero foi registrada como homicídio culposo, quando não há intenção de matar. A Secretaria da Segurança Pública ressaltou que “a autoridade policial aguarda os resultados dos laudos, ainda em elaboração, para esclarecer os fatos.”

Veja quem são as vítimas abaixo:

Buscas ainda são realizadas
  • Luciana Rodzewics, de 46 anos (passageira)

Moradora do bairro do Limão, na Zona Norte de São Paulo, a paulista Luciana trabalhava como autônoma, vendendo roupas pela internet. De acordo com seu perfil no Linkedin, ela também já atuou como assistente comercial e consultora de vendas.

Ela aceitou um convite do amigo, Raphael Torres, para fazer um passeio bate e volta a Ilhabela, às vésperas do Réveillon. A mulher levou a filha, Letícia, e compartilhou nas redes sociais um vídeo que mostrou o momento em que o helicóptero decolou do Campo de Marte.

  • Letícia Ayumi Rodzewics, de 20 anos (passageira)

Filha de Luciana, Letícia acompanhava a mãe no passeio de helicóptero. A jovem morava com Luciana no bairro do Limão e tinha um salão de beleza na Zona Norte.

Letícia namorava o militar da Força Aérea Brasileira (FAB) Henrique Thiofilo Stellato. Foi para ele que, durante o voo, a jovem enviou um vídeo que mostrava o mau tempo (veja abaixo). Na sequência, fez um contato com o rapaz, dizendo que o piloto tinha feito um pouso de emergência em uma mata. Depois disso, não houve mais notícias.

  • Raphael Torres, de 41 anos (passageiro)

Empresário do ramo de medicamentos, Raphael Torres foi quem organizou o passeio de helicóptero e convidou a amiga, Luciana. Ele passaria a virada do ano em Ilhabela e a chamou para a viagem bate e volta.

Irmã do empresário, Herika Torres contou, em entrevista ao site UOL, que ele era acostumado a fazer viagens de helicóptero e, inclusive, já conhecia o piloto de outros voos. Além disso, ela relatou que o irmão e Luciana eram amigos de longa data.

“Ele era amigo da Luciana há algum tempo. É por isso que ela se sentiu confortável, inclusive, de levar a filha para ir. Era um passeio comum”, afirmou.

Ele organizou o passeio
  • Cassiano Tete Teodoro, de 44 anos (piloto)

O voo era realizado pelo piloto Cassiano Tete Teodoro, que tinha apenas licença pessoal para voar, ou seja, não podia realizar táxi aéreo. Isso porque ele teve a licença cassada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), em setembro de 2021, depois que ele jogou uma aeronave contra um servidor do órgão que fazia uma fiscalização.

A punição durou dois anos e o piloto precisou refazer os cursos formativos de aviação antes de solicitar uma nova licença. Ele refez os procedimentos e, em outubro de 2023, obteve o novo documento. Apesar disso, Teodoro seguia sem autorização para fazer voo remunerado.

Ele não podia fazer voos remunerados

LEIA TAMBÉM:

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos