Foco

Avião bimotor que levava três pessoas desaparece no mar, na região de Ubatuba

FAB disse que encontrou destroços que podem ser da aeronave, mas operação de resgate continua

Um avião bimotor que levava três pessoas desapareceu no mar entre as cidades de Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, e Paraty, no Rio de Janeiro, na noite de quarta-feira (24). As buscas foram iniciadas durante a madrugada desta quinta-feira (25) e, pela manhã, a Força Aérea Brasileira (FAB) informou que localizou destroços que podem ser da aeronave. Os trabalhos continuam para localizar os ocupantes e confirmar se, de fato, se trata do bimotor.

O avião saiu às 20h30 de quarta-feira do Aeroporto dos Amarais, em Campinas, e pousaria no Aeroporto de Jacarepaguá, no Rio. Além do piloto, estavam no avião o copiloto, identificado como José Porfírio de Brito Júnior, de 20 anos, que é dono da aeronave, e um passageiro. Durante o trajeto, a torre de comando no Rio de Janeiro perdeu o contato às 21h40.

LEIA TAMBÉM:

O Centro de Coordenação de Salvamento Aeronáutico de Curitiba (ARCC-CW), unidade da FAB responsável por coordenar as operações de buscas aéreas na região, foi notificado na noite de ontem sobre o desaparecimento da aeronave. Assim, as buscas foram iniciadas na madrugada e, nesta manhã, encontrados os destroços que podem ser do bimotor.

O Corpo de Bombeiros também trabalha na operação de resgate em busca das vítimas por meio do Centro de Coordenação de Salvamento Aeronáutico (Salvaero). Uma lancha percorre a divisa entre Rio e São Paulo, a aproximadamente 9 km da costa.

Ainda segundo os bombeiros, parentes do piloto entraram em contato com a corporação avisando que a aeronave enfrentava problemas técnicos. Há a suspeita de que o avião tenha realizado um pouso de emergência nas águas, mas nenhuma informação foi confirmada oficialmente até o momento.

Situação da aeronave

De acordo com dados da Agência Nacional de Aviação Civil, a aeronave, modelo PA-34-220T, estava em situação normal, com autorização para realizar voos noturnos. Porém, não poderia fazer táxi aéreo, conforme consta no Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB).

O bimotor, fabricado em 1981, tinha o Certificado de Verificação de Aeronavegabilidade (CVA) válido e venceria em 6 de agosto de 2022.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos