Foco

7 gafes que não se deve cometer na entrevista de emprego

Especialistas em RH dão dicas de como se portar e do que jamais fazer na hora de lutar por uma vaga

Entrevista de emprego costuma ser um momento de tensão. Nunca é confortável para o candidato saber que o recrutador está analisando cada resposta sua, avaliando se o perfil combina com as necessidades da empresa para determinada vaga. Nesse contexto, é comum que algumas gafes aconteçam e coloquem tudo a perder, seja por nervosismo, pela vontade imensa de agradar para conseguir o trabalho ou por pura inocência.

Leia também:

Covid-19: Prefeitura de SP vacina público com 25 anos e quem precisa da 2º dose; veja cronograma

TJ-SP publica edital de concurso com 266 vagas para juiz substituto com salário de R$ 28 mil

Iniciativa estadual ajuda a reconhecer paternidade em São Paulo

O Metro World News conversou com especialistas em RH (Recursos Humanos), que apontaram os principais erros cometidos em entrevistas. Saiba quais são:

1 – Se candidatar para cargos fora do perfil. “No desespero, muitas vezes as pessoas saem disparando currículos para todas as vagas que encontram pela frente sem se atentar se elas estão realmente dentro de seu perfil ou não. Isso é muito chato, porque o selecionador perde tempo analisando currículos que não fazem o menor sentido”, explica José Tortato, gerente de negócios do BNE (Banco Nacional de Empregos).

2 – Se atrasar para a entrevista. “Considero esta uma grande gafe, pois o entrevistador reservou aquele tempo para o candidato e, a partir do momento que ele se atrasa, demonstra que não está tão preocupado, que não é algo tão importante pra ele”, aponta Tortato.

3 – Mentir para tentar conseguir a vaga. “No anseio de ser aprovado, o candidato acaba afirmando coisas que não são verdadeiras. Mas fica a dica: os selecionadores são preparados para identificar quando se está mentindo e, muitas vezes, a ‘casa cai’ nesse momento.”

4 – Falar mal dos empregos anteriores. “Ao perguntar sobre os outros empregos, os recrutadores querem saber sobre a história profissional do candidato e, quando que ele começa criticar os empregadores passados, isso mostra que ele pode falar mal do próximo emprego também, o que gera receio para uma possível contratação”, diz o gerente.

5 – Ter um postura inadequada. “A partir do momento que a pessoa está em casa por conta da pandemia e vai fazer uma entrevista remota, por exemplo, ela não pode deixar que isso atrapalhe sua postura. Apesar de ela estar no lugar em que mais se sente confortável, ela precisa estar bem vestida e adequada a uma entrevista de emprego”, recomenda.

6 – Não saber nada sobre a empresa. “É importante pesquisar a companhia antes da entrevista e se informar bem sobre ela”, aconselha Érika Castro, especialista em aquisição de talentos na VAGAS.com.

7 – Não demonstrar energia interesse pela vaga. “Tenha escuta ativa para ouvir, compreender e responder às perguntas feitas pelos recrutadores de maneira objetiva. Cheque se você tem realmente interesse na posição e mostre empolgação com a oportunidade”, afirma Érika.

Problemas de conexão são considerados gafes?

A maior parte dos processos seletivos ainda está sendo feita de forma remota por conta da covid-19. Nesse contexto, a tecnologia é uma grande aliada, mas também pode ser uma “pedra no sapato” se, bem no momento da conversa com o recrutador, resolver não cooperar.

Mas calma. Para isso há solução. “Falhas na conexão ou no microfone são comuns e acontecem, inclusive, com quem está entrevistando. O ideal é falar abertamente sobre a situação e tentar resolver o problema o quanto antes. Quando não for possível resolver essas questões a tempo, remarque a entrevista”, orienta especialista em aquisição de talentos na VAGAS.com.

De qualquer forma, se preparar com antecedência podem minimizar algumas dessas situações, como aponta o gerente de negócios do BNE. “Se coloque em um local onde haja um bom sinal, esteja próximo ao roteador ou use cabo de rede. Faça testes antes da entrevista. Se mesmo assim acontecer algum problema durante a conversa, tenho certeza que o recrutador entenderá, pois se trata de um fator externo.”

Atenção ao ambiente

Ainda em se tratando de entrevistas online, deve-se atentar para a criação de um cenário adequado à ocasião.

“É essencial ter um ambiente silencioso e com o fundo sem muita poluição visual. Hoje é bem comum ter esse local preparado, pois a grande maioria já está habituada ao home office. Ligar a câmera é muito importante”, diz Érika.

“Procure um local neutro, em que o fundo não chame mais atenção do você mesmo no enquadramento. Sobre a movimentação na casa, avise quem mora com você sobre a entrevista e peça para que evitem fazer barulho”, complementa Tortato.

E aquelas perguntinhas capciosas?

Há algumas perguntas que quase sempre compõe o roteiro dos recrutadores e que podem abrir espaço para muitas gafes.

Uma delas diz respeito ao motivo pelo qual o candidato saiu do último emprego ou deseja sair do atual. “Procure colocar a questão de forma honesta, mas polida. Falar mal da experiência anterior não pega bem, como dito anteriormente”, afirma o gerente do BNE.

Citar os pontos fracos também é um pedido delicado e muitos tentam maquiá-los com pontos fortes. Não caia nessa. Falar que é perfeccionista, por exemplo, é um clássico que não «cola», segundo Tortato. “O candidato pode sim falar sobre suas falhas e, para isso, é preciso um bom nível de autoconhecimento. É indicado, porém que junto ao ponto fraco o candidato conte o que está fazendo para melhorá-lo”, finaliza.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos