logo
/ NASA/ESA/JPL-Caltech/Conroy et. al. 2021 / NASA/ESA/JPL-Caltech/Conroy et. al. 2021
Estilo de Vida 29/04/2021

Astrônomos da NASA revelam novo mapa que revela estrelas no halo galáctico; “periferia” da Via Láctea

O mapa também pode oferecer um novo teste para as teorias da matéria escura.

Por : Metro World News

Astrônomos, utilizando dados dos telescópios da NASA e da ESA (Agência Espacial Europeia), lançaram um novo mapa que revela estrelas no halo galáctico, “periferia” da Via Láctea.

Como detalhado, por meio de comunicado, conhecido como halo galáctico, esta área fica fora dos braços espirais que formam o disco central reconhecível da Via Láctea e é esparsamente povoada por estrelas.

Embora o halo possa parecer quase vazio, também se prevê que contenha um reservatório massivo de matéria escura, uma substância misteriosa e invisível que se pensa formar a maior parte de toda a massa do universo.

Os dados para o novo mapa vêm da missão Gaia da ESA e do Explorador de pesquisa de infravermelho de campo amplo de objeto próximo à Terra da NASA.

O novo mapa revela como uma pequena galáxia chamada Grande Nuvem de Magalhães (LMC) – assim chamada porque é a maior das duas galáxias anãs orbitando a Via Láctea – navegou através do halo galáctico da Via Láctea como um navio na água, sua gravidade criando um rastro nas estrelas por trás dele. O LMC está localizado a cerca de 160.000 anos-luz da Terra e tem menos de um quarto da massa da Via Láctea.

Como revelado pela NASA, embora as porções internas do halo tenham sido mapeadas com um alto nível de precisão, este é o primeiro mapa a fornecer uma imagem semelhante das regiões externas, onde a esteira é encontrada – cerca de 200.000 anos-luz a 325.000 anos-luz de o centro galáctico. 

O destaque do novo gráfico é um rastro de estrelas, agitado por uma pequena galáxia preparada para colidir com a Via Láctea

Estudos anteriores sugeriram a existência do velório, mas o mapa do céu confirma sua presença e oferece uma visão detalhada de sua forma, tamanho e localização.

Essa perturbação no halo também fornece aos astrônomos a oportunidade de estudar algo que eles não podem observar diretamente: a matéria escura. Embora não emita, reflita ou absorva luz, a influência gravitacional da matéria escura foi observada em todo o universo. 

Acredita-se que ele crie um andaime sobre o qual as galáxias são construídas, de modo que, sem ele, as galáxias se separariam enquanto giram. Estima-se que a matéria escura seja cinco vezes mais comum no universo do que toda a matéria que emite e / ou interage com a luz, de estrelas a planetas e nuvens de gás.

Como revelado pela NASA, embora existam várias teorias sobre a natureza da matéria escura, todas elas indicam que ela deveria estar presente no halo da Via Láctea. Se for esse o caso, à medida que o LMC navega por essa região, ele também deve deixar um rastro na matéria escura.

A esteira observada no novo mapa estelar é considerada o contorno desta esteira de matéria escura; as estrelas são como folhas na superfície deste oceano invisível, sua posição mudando com a matéria escura.

Como revelado pela NASA, a interação entre a matéria escura e a Grande Nuvem de Magalhães tem grandes implicações para nossa galáxia. Enquanto o LMC orbita a Via Láctea, a gravidade da matéria escura se arrasta sobre o LMC e o retarda. Isso fará com que a órbita da galáxia anã fique cada vez menor, até que a galáxia finalmente colida com a Via Láctea em cerca de 2 bilhões de anos. 

O mapa também pode oferecer um novo teste para as teorias da matéria escura

Como revelado pela NASA, esses tipos de fusões podem ser os principais impulsionadores do crescimento de galáxias massivas em todo o universo. Na verdade, os astrônomos acham que a Via Láctea se fundiu com outra pequena galáxia há cerca de 10 bilhões de anos.

Os autores do artigo também acham que o novo mapa – junto com dados adicionais e análises teóricas – pode fornecer um teste para diferentes teorias sobre a natureza da matéria escura, como se ela consiste em partículas, como a matéria regular, e quais são as propriedades de essas partículas são.

A equipe que mapeou as posições de mais de 1.300 estrelas. O desafio surgiu ao tentar medir a distância exata da Terra a uma grande parte dessas estrelas: muitas vezes é impossível descobrir se uma estrela está fraca e próxima ou brilhante e distante. 

Uma oportunidade rara

Depois de identificar estrelas provavelmente localizadas no halo, a equipe procurou por estrelas pertencentes a uma classe de estrelas gigantes com uma “assinatura” de luz específica detectável pelo NEOWISE

Conhecer as propriedades básicas das estrelas selecionadas permitiu à equipe descobrir sua distância da Terra e criar o novo mapa. Ele mapeia uma região começando a cerca de 200.000 anos-luz do centro da Via Láctea, ou sobre onde a esteira do LMC estava prevista para começar, e se estende por cerca de 125.000 anos-luz além disso.

O novo mapa também oferece aos astrônomos uma rara oportunidade de testar as propriedades da matéria escura em nossa própria galáxia. 

Ainda de acordo com as informações, agora a equipe da Universidade do Arizona está executando simulações que usam diferentes teorias da matéria escura para ver qual delas corresponde ao rastro observado nas estrelas. 

Astrônomos da NASA lançam novo mapa do céu com alcance externo da Via Láctea.
NASA/ESA/JPL-Caltech/Conroy et. al. 2021

Texto com informações da NASA

LEIA TAMBÉM: