logo
/ Crédito: Unplash / Crédito: Unplash
Foco 10/04/2021

7 dúvidas que as pessoas ainda têm sobre a Covid-19

Só no Brasil, mais de 300 mil pessoas já perderam a vida para o vírus

O mundo convive com a Covid-19 há pouco mais de um ano. Só no Brasil, mais de 300 mil pessoas já perderam a vida para o vírus, que se espalha a uma velocidade impressionante. O número de mortes já passa de 4 mil por dia e, enquanto a vacinação em massa ainda engatinha, a única saída é se proteger.

É sabido que o distanciamento social e o álcool em gel são as principais armas nessa batalha, mas ainda há uma série de dúvidas que surgem quando o assunto é prevenção.

Wladimir Queiroz, infectologista, consultor da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia) e professor da faculdade de Ciências Médicas de Santos, respondeu sete das principais questões levantadas por brasileiros para esclarecer o assunto de uma vez por todas. Confira:

  1. Se eu tomei a vacina ainda posso pegar a doença ou transmiti-la a outras pessoas?

    R: A vacinação contra a Covid-19, como qualquer vacina disponíveis, não garante que a pessoa fique completamente livre de adquirir a doença. Entretanto, ela reduz significativamente o risco de adquirir formas graves. Ainda não temos informações suficientes para saber se o indivíduo vacinado pode, se for infectado, transmitir o vírus para outras pessoas.
  2. Podemos ser contaminado pelos olhos?

    R: Com o passar do tempo pudemos acumular mais conhecimentos sobre a transmissão do vírus. Hoje estamos certos de que ela ocorre principalmente por via respiratória, inalando partículas virais dispersas no ar. Mais uma razão para reforçarmos a necessidade do uso de máscaras e viver em ambientes bem ventilados. No entanto, existe a possibilidade de transmissão através de mucosas. Mãos contaminadas com gotículas expelidas por pessoas infectadas podem contaminar a boca e os olhos. Daí a necessidade da higiene frequente das mãos com água e sabão ou álcool em gel.
  3. Posso levar o vírus para casa pela sola do sapato?

    R: Já demos maior importância à possibilidade de contaminação de ambientes através das solas de sapato, mas, independentemente da Covid-19, não custa higienizar os calçados (ou mesmo retirá-los) quando se chega em casa. Hábitos de higiene como esses, assim como lavar as mãos com muita frequência, mais do que nunca devem ser incorporados à rotina.
  4. Preciso limpar as compras que chegam do mercado?

    R: Outro hábito de higiene que sempre deveríamos dar atenção diz respeito à higienização das compras que fazemos. Nunca foi um bom costume levar os alimentos direto para o armário ou geladeira sem prévia limpeza, de acordo com cada material. Alguém tem ideia de quantas pessoas apalparam aquela fruta que você comprou na feira? Alguém imagina quais são as condições de armazenamento de pacotes em um depósito de supermercado? Frente a essa dúvida, sempre é bom higienizar cada pacote que trazemos da rua para dentro das nossas casas.
  5. Cachorros e gatos pegam ou transmitem o vírus?

    R: Não pegam. Houve um relato de felinos teriam sido contaminados, mas que não foi confirmado. Esse vírus, como conhecemos, só atinge humanos. Reforço: não há nenhuma evidência de que animais domésticos possam transmitir a doença para os donos.
  6. É aconselhável usar duas máscaras ao mesmo tempo?

    R: As máscaras devem ser bem adaptadas ao rosto, impedindo a entrada de ar por frestas. Normalmente não é necessário usar duas delas ao mesmo tempo, desde que a trama e as camadas de tecido sejam adequados, bem como sua adaptação ao rosto.
  7. Como prevenir o contágio no elevador?

    R: Elevadores são ambientes pequenos, pouco ventilados, que exigem a proximidade das pessoas, desrespeitando o distanciamento mínimo exigido para a prevenção da transmissão do vírus. Por esta razão, recomenda-se que somente uma pessoa use o elevador por vez, utilizando máscara. Obviamente pessoas que moram na mesma casa podem usar o elevador conjuntamente.

De olho na vacinação contra a Covid-19

Governo de SP

Em São Paulo, começa hoje (dia 10) a vacinação dos professores com mais de 47 anos e que estejam trabalhando ativamente em instituições de ensino.

A imunização do grupo estava prevista para segunda-feira (dia 12), mas o cronograma foi antecipado e anunciado ontem pelo governo no Palácio dos Bandeirantes. Estima-se imunizar um total de 350 mil pessoas nessa fase.

Para receber a vacina contra a Covid-19, esse público específico necessita de um documento especial emitido pelo diretor do estabelecimento de ensino para validar as condições de vacinação.

Na segunda-feira (dia 12), é a vez dos idosos com 67 anos. A data também foi antecipada dois dias. O público é estimado em 350 mil pessoas.

Apesar do planejamento da gestão João Doria (PSDB), as prefeituras têm autonomia para definir seus cronogramas. Na Capital, o calendário segue compatível com o Estado.

Segundo o vacinômetro, do governo de São Paulo, mais de 7,4 milhões de doses já foram aplicadas em todo o Estado. A contagem detalhada pode ser conferida aqui.