Eleições em São Paulo: o que disseram Covas e Boulos após apuração

Por Metro

“O trabalho começa amanhã”, disse o prefeito reeleito de São Paulo, Bruno Covas, em discurso de vitória no diretório estadual do PSDB, na capital paulista.

O tucano aguardou a consolidação de seu nome nas urnas antes de se manifestar. Suas primeiras palavras foram de agradecimento aos eleitores, mas firmou compromisso em governar para todos os paulistanos. “Nós vamos governar para todos. A partir de amanhã, não existe distrito azul e distrito vermelho, existe a cidade de São Paulo”, disse.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

Vale - Dezembro

Covas também agradeceu o adversário, Guilherme Boulos (PSOL), a quem considerou ter travado um “bom combate”. O prefeito reeleito disse ainda estar disposto a receber o líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores sem Teto) em seu gabinete. “Se quiser apresentar boas propostas, estaremos à disposição.”

Um nome de destaque no discurso de vitória do tucano foi Ricardo Nunes (MDB), vice-prefeito eleito. “Sofreu muito durante essa campanha, mas esteja certo, Ricardo, que a partir de 1º de janeiro nós vamos governar e nós vamos mostrar para São Paulo quem nós somos e qual é a nossa visão de mundo.”

O vencedor na cidade de São Paulo apontou, em seguida, suas principais bandeiras a frente da prefeitura: “Temos que combater as desigualdades e o coronavírus. Temos que investir em saúde e educação, e temos que fazer da nossa gestão um mantra na busca de emprego e oportunidades.”

Além de Covas, também discursaram Nunes e o governador João Doria (PSDB), que foi eleito na cidade em 2016, com o atual prefeito como seu vice. “Bruno construiu a sua vitória com seu programa de governo e a sua própria trajetória. A vitória do equilíbrio, do bom senso e da capacidade de gestão.”

Questionado sobre a atualização do Plano São Paulo de flexibilização da quarentena, Doria não quis adiantar o que será anunciado hoje, às 12h45, em coletiva no Palácio dos Bandeirantes.

Boulos agradece aos que ‘sonharam’

Em isolamento por estar infectado com a covid-19, Guilherme Boulos sequer pôde sair para votar, mas após o resultado da eleição, fez questão de agradecer aos eleitores que acompanhavam a apuração dos votos na frente da sua casa, no bairro do Campo Limpo (zona sul).

Da sacada, o psolista fez um breve pronunciamento aos apoiadores: “A gente apontou um futuro. Não está terminando, está começando. Quero agradecer de coração a cada um que acreditou e segue acreditando. Agradecer a todos que sonharam. Nós vamos vencer, não foi nessa eleição mas a gente vai ganhar. ‘Tamo junto!’”

O candidato derrotado, assim que teve suas chances matemáticas cessadas, telefonou para Bruno Covas cumprimentando-o pela vitória nas urnas.

Essa foi a segunda vez que Boulos, de 38 anos, concorre a uma eleição majoritária, já que, em 2018, ele havia disputado a presidência e terminou na 10ª colocação.

Mas tanto para ele como para o PSOL, o revés tem também sentimento de vitória, e isso vem desde o resultado do 1º turno. Foi o melhor resultado do partido desde que começou a concorrer à Prefeitura de São Paulo – nas outras três, ficou longe de passar para o 2º turno. Já Boulos despontou como liderança da esquerda.

Números da eleição em São Paulo

  • Total de votos:
    6.217.508
  • Votos válidos:
    5.337.230
  • Bruno Covas (PSDB)
    3.169.121 votos (59,38%)
  • Guilherme Boulos (PSOL)
    2.168.109 votos (40,62%)
  • Votos brancos:
    273.216
  • Votos nulos:
    607.062
  • Abstenção:
    2.769.179
Loading...
Revisa el siguiente artículo