Justiça suspende exigência de CPF regular para auxílio emergencial

Por Agência Brasil

O juiz federal Ilan Presser, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, suspendeu na noite desta quarta-feira (15) a exigência de regularização do CPF (Cadastro de Pessoa Física) para a obtenção do auxílio emergencial do governo durante a pandemia do novo coronavírus.

O magistrado deu dois dias para a Caixa retirar a exigência, sob pena de multa diária de R$ 5 mil em caso de descumprimento. Ele atendeu a um pedido de liminar (decisão provisória) feito pelo Pará, com parecer favorável do Ministério Público Federal.

Veja também:
Auxílio emergencial gera longas filas e incerteza sobre receber o dinheiro
Isolamento mínimo para conter coronavírus no país é de 40%, diz pesquisa

A decisão determina um prazo de dois dias para a Caixa se adaptar e não mais observar a exigência.

O juiz destacou que a exigência estava provocando filas e aglomerações em agências da Receita Federal, contrariando medidas de distanciamento social adotadas pelas autoridades sanitárias no combate à pandemia.

"As aglomerações, com sérios e graves riscos à saúde pública, continuam a se realizar, o que tem o condão de provocar o crescimento exponencial e acelerado da curva epidêmica, para atender à finalidade exigida pelo decreto regulamentar: de que sejam regularizadas as indigitadas pendências alusivas aos CPFs dos beneficiários junto à Receita Federal", escreveu o magistrado.

O auxílio de R$ 600,00 pode ser pedido por trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados. O valor pode chegar a R$ 1.200,00 no caso de famílias em que a mulher seja a única responsável pelas despesas da casa.

Loading...
Revisa el siguiente artículo