Foco

Aeroclube de São Paulo terá que desocupar área do aeroporto Campo de Marte

O Aeroclube de São Paulo terá que deixar o espaço no aeroporto Campo de Marte, zona norte de São Paulo, em duas semanas. A determinação é da Justiça Federal, que decidiu pela reintegração de posse para a Infraero (autarquia federal responsável pela administração de aeroportos).

A área de 15 mil metros quadrados funciona como uma escola de aviação civil, com hangares, salas de aula e um museu. Para a Infraero, porém, a abertura de um bar-restaurante aberto ao público em 2009 fugiu do contrato de exploração comercial.

Veja também:
Força-Tarefa da Polícia Civil busca homicidas e feminicidas em todo o País
Pichadores e grafiteiros invadem estação do Metrô e vandalizam trem; quatro são presos

Inicialmente, a proposta da dona do terreno era de alterar o contrato, até então permanente, para outro de prazo de cinco anos. Outra exigência era a licitação da área do restaurante. De acordo com a Infraero, o Aeroclube de São Paulo não quis se adequar às exigências.

Considerando a exploração comercial do terreno como quebra de contrato, a autarquia foi à Justiça Federal pedir o espaço de volta – concedido pela juíza Denise Aparecida Avelar.

O Aeroclube de São Paulo disse que solicitou um prazo maior para a saída. A escola de aviação civil é uma das mais tradicionais da capital paulista, fundada em 1931, com 40 mil pilotos e comissários formados. A direção disse que procura negociar com a Infraero para permanecer no local.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos