Estilo de Vida

Confira 5 mitos sobre doação de sangue

Tipos O+ e O- estão em emergência no Estado de São Paulo; tire suas dúvidas e veja se você pode se tornar um voluntário

Estoques de sangue em São Paulo precisam de doadores

A campanha Junho Vermelho foi criada com o objetivo de incentivar a doação de sangue. Segundo a Fundação Pró-Sangue, os tipos O+ e O- estão em emergência no Estado de São Paulo. Já os A- e B- estão críticos, enquanto o AB- está em alerta.

O percentual recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) de doadores em um país é entre 3,5% e 5% da população. No Brasil, o índice corresponde a 2%. Segundo a coordenadora do curso de Enfermagem da Faculdade Anhanguera, Janaina Daniel Ouchi, há muitos mitos envolvidos no ato solidário, o que acaba contribuindo para que não se atinja a meta recomendada.

“A doação é uma atividade segura, não coloca a saúde do doador em risco e pode salvar vidas”, afirma Janaina. “É comum que alguns mitos sobre o tema surjam e amedrontem a população. Por isso, é importante discutir sobre esses pontos e aumentar as informações sobre o assunto.”

Confira alguns mitos comuns esclarecidos pela especialista:

1 - A atividade não provoca o contágio de doenças. Todo material utilizado é descartável, portanto não há contato com sangue de outra pessoa;

2 - Quem teve covid-19 pode doar sangue. Os candidatos à doação com diagnóstico ou suspeita de coronavírus que apresentaram sintomas da doença, mesmo nos casos leves ou moderados, devem aguardar 10 dias após a recuperação para poder doar;

3 - A ação não é restrita a maiores de idade. Adolescentes a partir dos 16 anos podem doar sangue. Fisicamente, eles já estão aptos para a atividade, desde que cumpram todos os requisitos básicos para doação. Por serem menores de 18 anos, precisam de autorização dos pais ou responsável;

4 - O sangue não fará falta ao doador. A reposição do volume de plasma ocorre em 24 horas e a dos glóbulos vermelhos, em quatro semanas. Entretanto, para o organismo atingir o mesmo nível de ferro no organismo que apresentava antes da doação são necessárias oito semanas para os homens e 12 semanas para as mulheres;

5 - Quem tem piercing e tatuagem está apto a doar. Apenas pessoas com piercing na boca estão impedidas, pois o local está mais receptivo a infecções. No entanto, a doação pode acontecer 12 meses após a retirada do acessório. Indivíduos que fizeram tatuagem, maquiagem definitiva e outros processos com perfuração da pele devem esperar o mesmo período para praticar a ação.

Mais informações, endereços e horários de funcionamento dos postos de coleta em São Paulo podem ser conferidos no site da Pró-Sangue.

LEIA TAMBÉM:

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos