Estilo de Vida

Confira em detalhes primeira imagem de um buraco negro supermassivo em nossa galáxia que movimentou o mundo

Buraco negro no centro da Via Láctea.

Enquanto o Event Horizon Telescope coletava dados para sua nova e notável imagem do buraco negro supermassivo da Via Láctea, uma legião de outros telescópios, incluindo três observatórios de raios-X da NASA no espaço, também observava.

Os astrônomos estão usando essas observações para aprender mais sobre como o buraco negro no centro da Via Láctea - conhecido como Sagitário A - interage e se alimenta de seu ambiente a cerca de 27.000 anos-luz da Terra.

Como detalhado pela NASA, quando o Event Horizon Telescope (EHT) observou Sgr A* em abril de 2017 para fazer a nova imagem, os cientistas da colaboração também observaram o mesmo buraco negro com instalações que detectam diferentes comprimentos de onda de luz.

Um objetivo importante era capturar erupções de raios-X, que se acredita serem impulsionadas por processos magnéticos semelhantes aos observados no Sol, mas podem ser dezenas de milhões de vezes mais poderosas.

Uma das maiores questões em torno dos buracos negros é exatamente como eles coletam, ingerem ou até mesmo expelem o material que os orbita perto da velocidade da luz, em um processo conhecido como “acreção”.

Como detalhado pela NASA, esse processo é fundamental para a formação e crescimento de planetas, estrelas e buracos negros de todos os tamanhos, em todo o universo.

As imagens do Chandra de gás quente em torno de Sgr A* são cruciais para estudos de acreção porque nos dizem quanto material é capturado de estrelas próximas pela gravidade do buraco negro, bem como quanto consegue chegar perto do horizonte de eventos. Esta informação crítica não está disponível com os telescópios atuais para qualquer outro buraco negro no universo, incluindo M87*.

Confira em detalhes primeira imagem de um buraco negro supermassivo em nossa galáxia que movimentou o mundo

A comparação dos modelos com as medições dá pistas de que o campo magnético ao redor do buraco negro é forte e que o ângulo entre a linha de visão do buraco negro e seu eixo de rotação é baixo – menos de cerca de 30 graus.

Se confirmado, isso significa que, do nosso ponto de vista, estamos olhando para Sgr A* e seu anel mais do que de lado, surpreendentemente semelhante ao primeiro alvo do EHT, M87*.

Como detalhado pela NASA, os pesquisadores também conseguiram capturar explosões de raios-X durante as observações do EHT.

Ainda de acordo com as informações, a intensidade e a variabilidade das ondas milimétricas observadas com EHT aumentam nas poucas horas imediatamente após a explosão de raios-X mais brilhante, um fenômeno não observado em observações milimétricas alguns dias antes.

Texto com informações da NASA

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos