Estilo de Vida

Sonda da NASA vai revelar detalhes de intrigante característica de Marte

Depois de analisar amostras de rochas em pó coletadas da superfície de Marte pelo rover Curiosity da NASA, os cientistas anunciaram que várias das amostras são ricas em um tipo de carbono que na Terra está associado a processos biológicos.

Como detalhado, por meio de comunicado, embora a descoberta seja intrigante, ela não aponta necessariamente para a vida antiga em Marte, já que os cientistas ainda não encontraram evidências conclusivas de biologia antiga ou atual, como formações rochosas sedimentares produzidas por bactérias antigas ou uma diversidade de compostos orgânicos complexos. moléculas formadas pela vida.

A explicação biológica é inspirada na vida da Terra. Envolve bactérias antigas na superfície que teriam produzido uma assinatura única de carbono ao liberar metano na atmosfera, onde a luz ultravioleta teria convertido esse gás em moléculas maiores e mais complexas.

Como detalhado pela NASA, essas novas moléculas teriam chovido na superfície e agora poderiam ser preservadas com sua assinatura distinta de carbono nas rochas marcianas.

Duas outras hipóteses oferecem explicações não biológicas. Um sugere que a assinatura de carbono pode ter resultado da interação da luz ultravioleta com o gás dióxido de carbono na atmosfera marciana, produzindo novas moléculas contendo carbono que teriam se estabelecido na superfície.

Sonda da NASA vai revelar detalhes

E o outro especula que o carbono pode ter sido deixado para trás em um evento raro de centenas de milhões de anos atrás, quando o sistema solar passou por uma gigantesca nuvem molecular rica no tipo de carbono detectado.

Para analisar o carbono na superfície marciana, a equipe de House usou o instrumento Tunable Laser Spectrometer (TLS) dentro do laboratório SAM. O SAM aqueceu 24 amostras de locais geologicamente diversos na cratera Gale do planeta a cerca de 1.500 graus Fahrenheit, ou 850 graus Celsius, para liberar os gases internos. Em seguida, o TLS mediu os isótopos de parte do carbono reduzido que foi liberado no processo de aquecimento. Isótopos são átomos de um elemento com massas diferentes devido ao seu número distinto de nêutrons, e são fundamentais para a compreensão da evolução química e biológica dos planetas.

Como detalhado pela NASA, o carbono é particularmente importante, pois esse elemento é encontrado em toda a vida na Terra; ele flui continuamente pelo ar, água e solo em um ciclo que é bem compreendido graças às medições de isótopos.

Por exemplo, as criaturas vivas na Terra usam o átomo de carbono 12 menor e mais leve para metabolizar alimentos ou para fotossíntese versus o átomo de carbono 13 mais pesado. Assim, significativamente mais carbono 12 do que carbono 13 em rochas antigas, juntamente com outras evidências, sugere aos cientistas que eles estão procurando assinaturas de química relacionada à vida.

Observar a proporção desses dois isótopos de carbono ajuda os cientistas da Terra a dizer que tipo de vida eles estão vendo e o ambiente em que vivia.

Em Marte, os pesquisadores do Curiosity descobriram que quase metade de suas amostras tinham quantidades surpreendentemente grandes de carbono 12 em comparação com o que os cientistas mediram na atmosfera marciana e nos meteoritos.

Como detalhado pela NASA, essas amostras vieram de cinco locais distintos na cratera Gale, relatam os pesquisadores, o que pode estar relacionado ao fato de todos os locais terem superfícies antigas e bem preservadas.

Marte é único porque pode ter começado com uma mistura diferente de isótopos de carbono da Terra há 4,5 bilhões de anos. Marte é menor, mais frio, tem gravidade mais fraca e gases diferentes em sua atmosfera. Além disso, o carbono em Marte pode estar circulando sem qualquer vida envolvida.

Intrigante característica de Marte

A equipe observou que os cientistas estão nos estágios iniciais de compreensão de como o carbono circula em Marte e, assim, como interpretar as proporções isotópicas e as atividades não biológicas que podem levar a essas proporções. O Curiosity, que chegou ao Planeta Vermelho em 2012, é o primeiro rover com ferramentas para estudar isótopos de carbono na superfície.

Como detalhado pela NASA, outras missões coletaram informações sobre assinaturas isotópicas na atmosfera e os cientistas mediram proporções de meteoritos marcianos que foram coletados na Terra.

Os cientistas do Curiosity continuarão a medir isótopos de carbono para ver se eles obtêm uma assinatura semelhante quando o rover visitar outros locais suspeitos de terem superfícies antigas bem preservadas.

Para testar ainda mais a hipótese biológica envolvendo microrganismos produtores de metano, a equipe do Curiosity gostaria de analisar o conteúdo de carbono de uma pluma de metano liberada da superfície.

Ainda de acordo com as informações, o rover encontrou inesperadamente tal pluma em 2019, mas não há como prever se isso acontecerá novamente.

Caso contrário, os pesquisadores apontam que este estudo fornece orientação para a equipe por trás do rover Perseverance da NASA sobre os melhores tipos de amostras a serem coletadas para confirmar a assinatura do carbono e determinar definitivamente se está vindo da vida ou não. Perseverance está coletando amostras da superfície marciana para possível retorno futuro à Terra.

Texto com informações da NASA

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos