logo
Frascos de óleo essencial / Freepik - jcompFrascos de óleo essencial / Freepik - jcomp
Estilo de Vida 08/07/2021

Óleos essenciais realmente funcionam?

Os óleos essenciais estão em alta, confira alguns benefícios de seu uso.

Em algum momento você já ouviu falar sobre eles ou até mesmo já testou algum. Os óleos essenciais, e seus múltiplos usos, estão cada vez mais difundidos. Eles podem ser utilizados para massagem, banho, aromatização ou mesmo como um toque a mais para produtos de limpeza e cuidados com a pele.

Assim como as formas de utilização são muitas, os benefícios de seu uso também. De acordo com uma pesquisa divulgada no Metro Uk e realizada pelo Wellness Creative Industry, o mercado de bens relacionados ao bem-estar gerou uma receita de 19.6 bilhões de libras no último ano. Um dos destaques foi a popularização dos óleos essenciais que ganharam força neste período e permanecem em alta.

Um relatório recente feito pela Puressentiel, mostrou que a quantidade de óleos essenciais, produzida em 2020, foi superior ao peso combinado de 19.900 ônibus de dois andares. Ao comparar a quantidade produzida com a quantidade que utilizamos do produto, geralmente poucas gotas, conseguimos entender a dimensão desta produção.

Conforme declaração do fitoterapeuta, especializado em óleos essenciais, Dr. Chris Etheridge os “Óleos essenciais são um recurso de bem-estar ainda subutilizado. Eles ainda levantam algumas suspeitas, mas se forem utilizados de forma correta podem trazer enormes benefícios à saúde e ao bem-estar”.

O que são óleos essenciais?

Óleos essenciais são compostos concentrados e altamente potentes extraídos das plantas. A extração pode ser realizada de qualquer parte, desde a raiz e o caule até flores e folhas. “Qualquer parte de uma planta que contenha óleos ou compostos ativos pode ser usada”, afirma Chris.

Confira também:

Ele ainda afirma que existem fortes evidências de que estes compostos têm benefícios antibacterianos, antivirais e antifúngicos, além de possui efeitos relaxantes, calmantes e indutores do sono. A eficácia deste tipo de terapia está sendo verificada graças a varreduras da atividade cerebral realizadas por meio de ressonância magnética. Desta forma, é possível identificar as áreas do cérebro que são ativadas conforme as pessoas sentem determinados cheiros.

“Alguns óleos causam mudanças na química do cérebro, atuando nos neurotransmissores de liberação, como a serotonina, noradrenalina e endorfinas, que podem ter efeito direto sobre o seu bem-estar físico e emocional”.

Entre os óleos mais conhecidos encontram-se o óleo de lavanda, com propriedades calmantes, de camomila, que ajuda em uma boa noite de sono, de alecrim, com propriedades estimulantes e o já conhecido óleo de eucalipto, que pode ser benéfico em casos de congestão nasal.