logo
Entretenimento
/ Carlos Reinis/Band / Carlos Reinis/Band
Entretenimento 15/10/2019

MasterChef – A Revanche traz de volta amadores que mudaram de vida pela Gastronomia

Você está entre os que acham que Thiago Gatto e Valter Herzmann mereciam ter ido para a final do “MasterChef Brasil”? Ou ainda chorou junto com as eliminações de Estefano Zaquini e Haila Santuá? Com o “MasterChef – A Revanche”, que estreia nesta terça-feira, às 22h45, na Band, o público vai ter a chance de retomar suas torcidas para cozinheiros amadores que não chegaram às finais das seis temporadas anteriores. E no horário tradicional das terças-feiras, após uma temporada aos domingos.

Leia mais:
MasterChef – A Revanche: ‘Eu era inocente, agora estou mais madura’, diz Haila Santuá

Sob o comando de Ana Paula Padrão e o crivo dos chefs Erick Jaqcuin, Henrique Fogaça e Paola Carosella, 20 participantes voltam ao talent show de gastronomia. A edição especial é mais curta (terá dez episódios) e ainda mais pauleira: no primeiro episódio dez deles já serão eliminados em duelos com direito à plateia.

O ritmo do programa foi pensado realmente para mexer com os nervos dos fãs: “Vai ser uma temporada crua, realista, muito próxima dessas séries de streaming em que termina o episódio e o público fala: ‘Perdi o fôlego! Quem sobreviveu? Vou ter de esperar mais uma semana?’”, diz a diretora-geral do “MasterChef”, Marisa Mestiço.

O esquema mexeu com os emoções dos jurados e dos participantes. Os colegas entregam que Jacquin foi um dos que mais chorou durante a competição. “Antes eu gritava, agora eu choro. Talvez eu tenha mudado, não sei”, desconversa o chef francês.

A escolha 

O critério de escolha para selecionar o elenco desta edição especial não levou em conta o potencial dramático dos amadores, afirma a diretora. “A gente tem uma equipe que passa a acompanhar a história dessas pessoas, desde a primeira temporada. A gente buscou entender o quanto a parte gastronômica delas realmente sofreu uma transformação. Não levamos em conta o carisma. Não faria sentido porque é um programa de gastronomia”, diz.

A maioria dos participantes que passaram pela seis edições amadoras mudou de vida. Cecília Padilha, da 1ª temporada, deixou o mercado financeiro para se dedicar à sua formação como cozinheira. Outros viraram empresários do ramo, ensinam culinária, foram empregados em restaurantes ou abriram seu próprio estabelecimento.

Os jurados só souberam quem foram os escolhidos no primeiro dia de competição. E, apesar de terem trabalhado juntos ao longo das temporadas, isso não significa que não há surpresas. “Na verdade a gente acha que conhece os participantes e não sabe o que aconteceu com eles depois que saíram daqui. Então a gente conhece a cara, mas não o cozinheiro”, diz Paola.

A dinâmica do programa vai exigir que os cozinheiros aceitem riscos desde o início para se manter no mezanino reservado aos que continuam na cozinha do MasterChef ao longo dos episódios. Vai ser mata-mata todo dia, com provas de muita complexidade, como a de panificação com fermentação natural, que vai durar 24 horas.

“Ao longo das temporadas, alguns participantes vinham com estratégias de jogo para ficar até a final: mantinham um nível mediano e só exibiam suas cartas no fim da competição. Agora, isso não será possível. Eles vão ter de mostrar a que vieram desde o princípio”, diz Ana Paula.

A fogueira de vaidades que costuma alimentar as cozinhas não têm vez nesta edição. “Uma das maiores surpresas que eu tive foi o grau de humildade das pessoas que chegaram aqui. Vieram arrogantes da primeira vez e depois caíram na real”, conta Paola.

Prêmios

Os vencedores das provas individuais acumularão R$ 1 mil em compras no cartão Carrefour; já as mini provas e as provas coletivas valerão R$ 500 para os vencedores. Os dois finalistas ainda serão premiados com R$ 1 mil por mês, durante um ano, para fazer compras com o cartão Carrefour.

O grande vencedor vai ganhar, além do Troféu MasterChef – A Revanche, R$ 250 mil do Banco do Brasil, um curso de técnicas tradicionais da culinária francesa no Le Cordon Bleu Rio de Janeiro, uma cozinha completa da nova linha Brastemp Gourmand, uma cozinha equipada com produtos da Tramontina e o troféu MasterChef – A Revanche.
Quem voltou:

– Ana Luiza Teixeira,  4ª temporada
– Aristeu Guimarães, 5ª temporada
– Bianca Bertolaccini, 1ª temporada
– Cecília Padilha, 1ª temporada
– Estefano Zaquini, 1ª temporada
– Fabio Nunes, 3ª temporada
– Fernando Cavinato, 3ª temporada
– Fernando Kawasaki, 2ª temporada
– Haila Santuá, 6ª temporada
– Helton Oliveira, 6ª temporada
– Iranete Santana, 2ª temporada
– Juliana Nicoli, 6ª temporada
– Katleen Lacerda, 5ª temporada
– Mirian Cobre, 4ª temporada
– Raquel Novais, 3ª temporada
– Sabrina Kanai, 2ª temporada
– Thiago Gatto, 5ª temporada
– Valter Herzmann, 4ª temporada
– Vanessa Vagnoti, 3ª temporada
– Vitor Bourguignon, 4ª temporada