Foco

Agressão, tortura e disputa por bens: ex-mulher faz denúncias contra pai de motorista de Porsche

Modelo registrou ocorrências contra ex-marido e disputa na Justiça bens avaliados em R$ 30 milhões

Mulher disputa bens com ex-marido na Justiça
Modelo Eliziany Silva denuncia o ex-marido, o empresário Fernando Sastre, por violência doméstica; ele é pai de rapaz que conduzia Porsche envolvido em acidente (Reprodução/True Crime/O Globo)

ANÚNCIO

A modelo Eliziany Silva, de 48 anos, faz denúncias contra o empresário Fernando Sastre de Andrade, que é pai do rapaz que conduzia um Porsche e bateu contra um Renault Sandero, em São Paulo, causando a morte de um motorista de aplicativo. A mulher diz que o genitor, que tem o mesmo nome do filho, a torturou, sequestrou, fez ameaças e abusos psicológicos enquanto estavam juntos. Agora, eles brigam na Justiça pela divisão de bens avaliados em R$ 30 milhões.

ANÚNCIO

Em entrevista ao jornalista Ulisses Campbell, que assina a coluna “True Crime”, no jornal “O Globo”, Eliziany contou que registou dois boletins de ocorrência por violência doméstica contra o ex-marido. O casal se conheceu em 2008 e passou a morar junto em 2010. Eles firmaram uma união estável e com comunhão parcial de bens, mas se separaram em 2019.

A modelo diz que a primeira agressão cometida pelo ex-marido ocorreu em 30 de junho de 2018, quando ele deu tapas em seu rosto e a empurrou na cama. Em seguida, pegou um fio de carregador de telefone celular, fazendo menção de enforcá-la. Ela conseguiu escapar, mas o homem chegou a segurar seu pescoço com as mãos.

Depois das agressões, ela precisou ser atendida no pronto-socorro do Hospital Adventista de São Paulo. Na época, disse que não procurou a polícia, pois tinha medo do ex-marido, que era influente e conhecia membros da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). No entanto, em julho do ano passado, ela decidiu procurar a 5ª Delegacia de Defesa da Mulher de São Paulo e fez a denúncia.

Já em novembro de 2023, ela voltou a procurar a polícia, dizendo que o empresário a estuprou. Ela tinha saído com ele, a filha e uma irmã para jantar. Na volta, depois de deixar as parentes em casa, passou mal e desmaiou. Antes, disse para Sastre que estava tonta, mas ele disse que deveria ser pelo excesso de bebida.

A modelo relatou que, na manhã seguinte, acordou em um motel completamente nua e com sangramento nas partes íntimas. Ela tentou buscar atendimento médico, mas o ex-marido a impediu e a fez passar por uma consulta de telemedicina.

Após romper o relacionamento, Eliziany diz que chegou a reatar com Sastre, mas as agressões e ameaças de morte se intensificaram quando ela foi embora de vez. “Teve um dia que achava que ia morrer. Ele bateu e deu um mata-leão que perdi os sentidos”.

ANÚNCIO

Apesar de nunca ter denunciado Fernando Filho, ela afirma que também já levou um soco no rosto dado pelo rapaz. A modelo afirma que tanto o pai quanto o filho são violentos.

Em julho do ano passado, a mulher procurou a Justiça e pediu uma medida restritiva contra o ex-companheiro, mas a solicitação foi negada. “Nota-se que a última violência relatada pela ofendida ter-se-ia dado há cinco anos, oportunidade na qual ela não registrou os fatos em sede policial ou requereu cautelas, o que revela que ela não se sente em concreta situação de risco”, escreveu a juíza Tatiana Vieira Guerra.

Disputa judicial

A modelo e o ex-marido brigam na Justiça por pela partilha dos bens avaliados em R$ 30 milhões. Ela afirma que ajudou o empresário a enriquecer no ramo imobiliário e chegou a ser uma das investidoras da empresa Sastre Empreendimento Imobiliário e a Sastre Engenharia e Urbanismo.

“O Fernando não tinha nada quando me conheceu. Andava numa Pajero TR4, aquelas bem apertadinhas. Agora tem Porsches e um punhado de carros de luxo. Quero o que é meu”, disse a modelo à Ulisses Campbell.

O ex-marido da modelo foi procurado, mas disse que não iria se pronunciar, já que o processo sobre a divisão de bens corre em sigilo na Justiça.

Um dos carros citados pela modelo foi usado por Fernando Sastre, que, no fim de março deste ano, colidiu contra um Renault Sandero, na Zona Leste de São Paulo, matando o motorista de aplicativo Ornaldo Viana, de 52 anos.

O rapaz, que fugiu do local e não passou pelo teste do bafômetro, dirigia a mais de 150 km/h, segundo o laudo da perícia. Ele segue respondendo ao caso em liberdade.

Ele vai responder pela morte do motorista de aplicativo
Fernando Sastre de Andrade Filho, de 24 anos, que dirigia um Porsche e bateu contra um Sandero, matando o condutor (Reprodução/TV Globo/X)

ANÚNCIO

Recomendado:

Tags


Últimas Notícias