Foco

Governo bloqueia uso de redes sociais e streamings em escolas estaduais de São Paulo; entenda

Educação diz que objetivo é ‘focar na aprendizagem de qualidade’; deputado diz que medida é ‘autoritária’

Meta Verified es el nuevo sistema con el que Instagram y Facebook te cobrarán mensualmente por mantener tu insignia de verificación.

O uso de redes sociais e serviços de streamings nas escolas estaduais de São Paulo foi bloqueado. A medida, segundo o governo estadual, passou a valer no último dia 13 de fevereiro e tem o objetivo de “focar na aprendizagem de qualidade, sem que haja a dispersão para conteúdos inapropriados”.

Com isso, as 5,5 mil escolas estaduais agora não conseguem acessar redes sociais como Facebook, Instagram, Twitter, Tik Tok, ou plataformas de streamings, como Netflix e Globoplay.

O governo de Tarcísio de Freitas (Republicanos) garante que esse bloqueio “não inviabiliza o uso de seu conteúdo para fins pedagógicos em sala de aula, como preveem as disciplinas que fazem parte do currículo paulista.”

Recomendados

“Portanto, não há nenhuma restrição para análises, releituras, discussões e reflexões sobre as redes sociais e temas abordados nelas”, diz a nota da secretaria (veja a íntegra abaixo).

Apesar das alegações do governo, o deputado Carlos Giannazzi (PSOL), que é especialista em educação, disse em entrevista ao site G1 que a medida é proibitiva e pode trazer prejuízo na aprendizagem.

“Essa medida proibitiva representa um verdadeiro retrocesso é um grande prejuízo para a aprendizagem dos alunos, pois muitos conteúdos estudados em sala de aula, são ilustrados com imagens, vídeos, textos, reportagens, comentários, etc, que estão nas redes sociais”, afirma.

“Essa decisão é autoritária e excludente e não tem nenhum fundamento pedagógico. Lembra os vetos do Bolsonaro à internet gratuita nas escolas públicas. Essa decisão do governo a Tarcísio abre a porta para a censura e a mordaça nas escolas”, ressaltou Giannazzi.

Assim, o deputado informou que vai acionar o Ministério Público Estadual e também enviou um requerimento a Comissão de Educação e Cultura da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), com objetivo de cobrar explicações da Secretaria de Educação sobre a medida.

Veja abaixo a nota do governo na íntegra:

“O bloqueio do acesso a determinados aplicativos e plataformas não inviabiliza o uso de seu conteúdo para fins pedagógicos em sala de aula, como preveem as disciplinas que fazem parte do currículo paulista. Portanto, não há nenhuma restrição para análises, releituras, discussões e reflexões sobre as redes sociais e temas abordados nelas.

O objetivo da medida é focar no desenvolvimento da aprendizagem de qualidade, sem que haja a dispersão para conteúdos considerados inapropriados.

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP) apoia a conexão das tecnologias e aplicativos à rede estadual em prol do fortalecimento das práticas pedagógicas, inclusive com cada vez mais adoção de Recursos Educacionais Digitais.

Existem diversas ferramentas e tecnologias educacionais que podem ser utilizadas para enriquecer o processo de ensino e aprendizagem, e por isso disponibiliza o Centro de Mídias SP e o Diário de Classe SP. A pasta possui também parcerias com a Microsoft e o Google, que disponibilizam softwares e ferramentas inseridas para uso de acordo com as necessidades da rotina de aprendizagem dos alunos.”

LEIA TAMBÉM:

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos