Foco

Bruno Pereira e Dom Phillips foram mortos por disparos de armas de caça

Segundo a perícia da PF, Bruno foi atingido por três tiros, enquanto Dom foi morto com um tiro

Indigenista Bruno Pereira e o jornalista Dom Phillips foram mortos

A perícia da Polícia Federal (PF) apontou que o outro corpo encontrado na última quarta-feira (15), na região do Vale do Javari, no Amazonas, é do indigenista Bruno Pereira. Segundo a PF, o indigenista e o jornalista britânico Dom Phillips foram mortos com disparos que saíram de armas de caça. Bruno foi atingido por três tiros, enquanto Dom foi morto com um tiro.

Os peritos da Polícia Federal ainda informaram que a morte de Dom foi causada por “traumatismo toracoabdominal por disparo de arma de fogo com munição típica de caça, com múltiplos balins”. Já a causa da morte de Bruno foi “traumatismo toracoabdominal e craniano causado  por disparos de arma de fogo com munição típica de caça, com múltiplos balins”.

Ainda neste sábado (18), a PF confirmou que Jeferson da Silva Lima, mais conhecido como Pelado da Dinha, foi preso. Ele é o terceiro suspeito de envolvimento na morte do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips na região do Vale do Javari, no Amazonas.

PF diz não haver mandante das mortes de Bruno Pereira e Dom Phillips

Segundo os policiais, por volta das 6 horas, ele se apresentou na Delegacia de Atalaia do Norte e foi interrogado pelos investigadores e depois foi encaminhado para audiência de custódia. O suspeito se entregou após ter sua prisão decretada e ser considerado foragido.

LEIA TAMBÉM: Polícia Federal identifica restos mortais do jornalista Dom Phillips

Em comunicado publicado na noite de sexta-feira (17), a Polícia Federal (PF) pediu que se a população da região entrasse em contato com as autoridades imediatamente se tivesse informações que pudessem ajudar a localizá-lo.

Além de Pelado da Dinha, a polícia já prendeu Amarildo da Costa Oliveira, que confessou o crime, e o irmão dele, Oseney da Costa de Oliveira, conhecido como Dos Santos. A Justiça do Amazonas decretou a prisão temporária de 30 dias para ambos.

De acordo com os policiais federais, os suspeitos agiram sozinhos, ou seja, não houve um mandante. O envolvimento de facções criminosas também foi descartado.

LEIA TAMBÉM: Terceiro suspeito pela morte de Bruno Pereira e Dom Phillips é preso no Amazonas

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos