logo
Foco
/ Govesp/Fotos Públicas / Govesp/Fotos Públicas
Foco 08/09/2021

SP não registrou intercorrências com lotes da Coronavac suspensos pela Anvisa, diz Doria

Porém, quem recebeu as doses deve ser observado por 30 dias.

Por : Metro World News

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta quarta-feira (8) que não foram registradas intercorrência com vacinas da Coronovac de lotes suspensos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). No entanto, ele destacou que as pessoas que receberam as doses devem ser observadas por 30 dias.

Antes da suspensão, no último sábado (4), já haviam sido distribuídas 4 milhões de doses desse imunizante. Deste total, 224.737 doses ainda não foram aplicadas e vão permanecer armazenadas até que a Anvisa analise e libere esses lotes. Ao todo, cerca de 12,1 milhões de doses tiveram o uso suspenso.

Leia também:

Doria garantiu que, quem foi imunizado, não está em risco. “É uma mensagem tranquilizadora às pessoas que, como eu, tomaram a vacina do Butantan. A qualidade da vacina Coronavac é incontestável, a própria Anvisa já se pronunciou neste sentido. Aguardamos a liberação deste novo lote de vacinas para a aplicação na população”, disse.

O governo ressaltou que as 4 milhões de doses disponibilizadas na rede de saúde estadual passaram por rigoroso controle de qualidade e foram certificadas pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade (INCQS), órgão da Fiocruz do Governo Federal, responsável pela avaliação da qualidade de todos os imunizantes distribuídos no Brasil. As vacinas foram validadas e, portanto, tiveram a qualidade garantida para a utilização na população.

A Secretaria de Estado da Saúde também orientou os municípios quanto ao monitoramento por 30 dias de todas as pessoas que tomaram as doses, sendo que todo e qualquer evento adverso deve ser registrado no VaciVida.

“Temos confiança quanto à qualidade, segurança e eficácia da Coronavac. O imunizante passou por rigoroso controle de qualidade e todas as doses distribuídas para a rede de saúde passaram por testes de avaliação e foram certificadas para o uso”, destaca Regiane de Paula, coordenadora do Plano Estadual de Imunização.