Pandemia ajuda a alavancar vaga na saúde e no digital

Por Metro

A pandemia de covid-19 ajudou a fila do desemprego no país a chegar a 14 milhões de pessoas, de acordo com a última pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Mas nem todas as profissões foram influenciadas negativamente pelo isolamento social e novas formas de interação trazidas pela doença. O relatório anual do LinkedIn, rede social profissional presente em vários países, indica que os setores da saúde e de tecnologias digitais seguiram contratando e ainda são promessas para este ano. Foram comparados os períodos entre abril e outubro de 2019 e de 2020 para o estudo.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

O principal destaque no mercado brasileiro são as vagas relacionadas à medicina especializada. Pesquisas científicas sobre vacinas e tratamentos para a covid-19 movimentaram as contratações em grandes laboratórios, como o Instituto Butantan, IQVIA e PRA Health Sciences, indica o LinkedIn. O relatório mostra que a rede de atendimento aos pacientes infectados também movimentou o mercado de trabalho e continuará contratando, aquecendo vagas para enfermeiros, fisioterapeutas e farmacêuticos.

Enfermeiros de terapia intensiva, por exemplo, registraram crescimento recorde de 820%. Houve ainda aumento de 34% nas contratações de especialistas em saúde mental, impulsionadas pelo estresse geral com o isolamento social.

Outro setor em alta é o de tecnologias digitais, que já aparecia no relatório sobre 2020 do LinkedIn entre as 15 profissões mais promissoras do ano. Mas o fechamento de lojas físicas e o isolamento social fez o setor ganhar ainda mais destaque, com vagas não só para desenvolvedores de programas, mas para vendas no e-commerce, telemarketing e mídias sociais. “Muitos candidatos aproveitaram a oportunidade para mudar de carreira, enquanto outros o fizeram por necessidade. Observamos assistentes administrativos se tornarem operadores de telemarketing, caixas se tornarem operadores de depósito e jornalistas virarem gerentes de mídias sociais”, conclui o relatório.

Profissões em alta

1. Médicos especializados

Enfermagem em terapia intensiva, farmácia clínica, medicina, fisioterapia, terapia ocupacional e biologia

2. Cargos em tecnologia 

Experiência em Git, Unity, JavaScript, React.js, Scrum, design de experiência do usuário, design de interface do usuário

3. Farmacêuticos e pesquisadores 

Monitoramento clínico, boas práticas clínicas e de laboratório, pesquisa clínica, bioquímica e hematologia

4. Cargos em vendas e desenvolvimento de negócios

Negociação, gestão comercial, e-commerce, pré-vendas,
planejamento de negócios, gestão de vendas

5. Especialistas em e-commerce

E-commerce, gerenciamento de logística, operações de depósito, controle de estoque e gerenciamento da cadeia de suprimentos

6.  Profissionais autônomos de conteúdo digital 

Experiência em podcasts, YouTube, marketing digital e edição de vídeos

7. Especialistas em marketing digital

Marketing de influência e digital, growth hacking, experiência de usuário, mídias sociais

8. Profissionais de finanças 

Serviços bancários, negociação, planejamento de negócios, investimentos, finanças corporativas, mercado de capitais e análise financeira

9. Telemarketing

Atendimento ao cliente, vendas, etiqueta ao telefone

10. Cargos de apoio à saúde 

Experiência em farmácia, funções de recepcionista,
atendimento ao paciente, análises clínicas e gestão de saúde

Loading...
Revisa el siguiente artículo