logo
Foco
/ Reprodução / Reprodução
Foco 30/10/2018

Alunos de 8 anos fazem desenhos em apoio a Bolsonaro: ‘vai matar viados’

“Se eu pudesse votar…”. Esta era a tarefa proposta para os alunos do 3º ano do ensino fundamental de um colégio da rede pública no Guará, no Distrito Federal. A partir da reflexão, as crianças deveriam escrever um pequeno texto com seus motivos para escolher determinado candidato e fazer um desenho. O resultado assustou funcionários, professores e também eleitores que estiveram no local, que funcionou como seção eleitoral no último domingo (28), segundo turno das eleições.

Um dos desenhos mostra o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) disparando uma metralhadora e vem acompanhado por um texto: “Ele vai dar armas para as crianças, adultos e velhos e matar os viados.” Em outro cartaz, a criança afirma: “Ele parece que vai ser um bom presidente, mesmo que ele tenha preconceito”. Também houve apoio ao candidato derrotado, Fernando Haddad (PT), embora em menor escala.

Neste desenho, Bolsonaro aparece segurando duas pistolas

Leia também:
Bolsonaro vai doar dinheiro de campanha que sobrou para Santa Casa de Juiz de Fora
Sites vendem artigos de festa com tema Bolsonaro

O jornal Metrópoles esteve no colégio Escola Classe 2 e conversou com a diretora Cindia Carpina Cury. “Essas crianças me falaram que têm pensamento radical. É preciso respeitar opinião, mas o que denigre o ser humano não é considerável. Por isso, faço questão de levar esse assunto à sala de aula, intervir pedagogicamente“, disse à reportagem.

Segundo Cindia, a tarefa foi realizada na sexta-feira (26), antes da votação para o segundo turno, e os trabalhos não foram analisados pela professora da classe antes de serem expostos no mural da escola. “Fui pega de surpresa hoje. Não vi na sexta. A maioria dos cartazes é sobre o Bolsonaro e alguns têm informações sobre homofobia, mas não sei se as crianças têm esse comportamento nem conheço o contexto em que elas vivem”, afirma.

Os alunos responsáveis pelos desenhos e seus pais serão chamados para conversar. De acordo com o jornal Metrópoles, os cartazes foram removidos.

Desta vez, ilustração mostra presidente eleito apontando arma de fogo para mulher