Foco

Israel derruba drone palestino; mortos já são mais de 160

Cresce temor de ofensiva terrestre na Faixa de Gaza | Amir Cohen/Ruters
Cresce temor de ofensiva terrestre na Faixa de Gaza | Amir Cohen/Ruters

Israel afirmou ter derrubado um drone de Gaza durante sua ofensiva nesta segunda-feira, no primeiro envio de um aparelho não tripulado por parte de militantes palestinos, cujos foguetes disparados contra o território israelense têm sido de modo geral interceptados.

O Hamas, o grupo islâmico que governa Gaza, afirmou que seu braço armado enviou diversos drones para realizar «missões especiais» no interior de Israel –um desdobramento que, se confirmado, marcaria um avanço na sofisticação de seu arsenal.

Mais de 166 palestinos, na maioria civis, foram mortos, disseram autoridades do setor de saúde de Gaza, nos sete dias de um conflito que não dá sinais de que vá acabar.

Leia também:
Três confessam ter ateado fogo em palestino por vingança, diz Israel
Número de mortos em Gaza sobe para 160 e milhares fogem

Israel seguiu com bombardeios nesta segunda-feira à Faixa de Gaza, embora sem lançar uma intervenção terrestre, no sétimo dia de uma ofensiva destinada a neutralizar o lançamento de foguetes pelo  Hamas.

A Liga Árabe se somou aos apelos internacionais para deter a ofensiva israelense e pediu à comunidade internacional que adote medidas para proteger os habitantes de Gaza, um território pobre de 360 km2 e 1,2 milhão de habitantes.

Os últimos bombardeios tiveram como alvo bases das Brigadas Ezzedin al-Qasam, o braço militar do Hamas, e edifícios de várias cidades, sem que tenham sido reportadas até o momento vítimas fatais.

Em Beit Lahiya (norte da Faixa de Gaza), muitas famílias que abandonaram suas casas no domingo por medo de bombardeios anunciados por Israel retornaram às suas casas,

Como parte dos esforços diplomáticos internacionais para um cessar-fogo, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, cujo empenho por um acordo de paz palestino-israelense fracassou em abril, se ofereceu no domingo para ajudar na obtenção de uma trégua. A oferta teve o respaldo da França e da Alemanha, que vai enviar seu ministro de Relações Exteriores à região nesta segunda-feira.

[metrogallerymaker id=»240″]

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos