Estilo de Vida

NASA: Telescópio Hubble investiga misterioso exoplaneta com condição climática bizarra

Condições climáticas bizarras nesses mundos escaldantes.

Os astrônomos do Telescópio Espacial Hubble da NASA estudam uma classe única de exoplanetas ultra-quentes. Os mundos do tamanho de Júpiter estão tão precariamente próximos de sua estrela-mãe que estão sendo queimados em temperaturas acima de 3.000 graus Fahrenheit.

Como detalhado pela NASA, isso é quente o suficiente para vaporizar a maioria dos metais, incluindo o titânio. Eles têm as atmosferas planetárias mais quentes já vistas.

Em dois novos artigos, equipes de astrônomos do Hubble estão relatando condições climáticas bizarras nesses mundos escaldantes. Está chovendo rocha vaporizada em um planeta, e outro tem sua atmosfera superior ficando mais quente em vez de mais fria porque está sendo “queimada pelo sol” pela intensa radiação ultravioleta (UV) de sua estrela.

Recomendados

No primeiro, os astrônomos descrevem as observações do Hubble de WASP-178b, localizado a cerca de 1.300 anos-luz de distância. No lado diurno, a atmosfera não tem nuvens e é enriquecida em gás monóxido de silício.

Como detalhado pela NASA, como um lado do planeta está permanentemente voltado para sua estrela, a atmosfera tórrida gira para o lado noturno em velocidades de super-furacão superiores a 3.200 quilômetros por hora.

No lado escuro, o monóxido de silício pode esfriar o suficiente para se condensar em rocha que chove das nuvens, mas mesmo ao amanhecer e ao anoitecer, o planeta é quente o suficiente para vaporizar rocha.

Telescópio Hubble investiga misterioso exoplaneta que está sendo consumido pelo calor extremo no espaço

Como detalhado pela NASA, no segundo artigo, foi relatado um Júpiter super quente, KELT-20b, localizado a cerca de 400 anos-luz de distância. Neste planeta, uma explosão de luz ultravioleta de sua estrela-mãe está criando uma camada térmica na atmosfera, muito parecida com a estratosfera da Terra.

As evidências vieram da detecção de água pelo Hubble em observações no infravermelho próximo e da detecção de monóxido de carbono pelo Telescópio Espacial Spitzer da NASA.

Ainda de acordo com as informações, embora os Júpiteres super quentes sejam inabitáveis, esse tipo de pesquisa ajuda a abrir caminho para uma melhor compreensão das atmosferas de planetas terrestres potencialmente habitáveis.

Texto com informações da NASA

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos