Social

Primeiro caso do gênero: adolescente sofre paralisia das cordas vocais por Covid

Uma jovem de 15 anos enfrenta uma rara paralisia nas cordas vocais após contrair COVID-19

Uma adolescente de 15 anos em Massachusetts experimentou uma complicação singular ao contrair COVID-19, sofrendo uma paralisia nas cordas vocais, em um caso que especialistas chamaram de "primeiro do gênero" entre adolescentes.

A jovem, previamente saudável, procurou a sala de emergência do Massachusetts General Hospital nove dias após o diagnóstico de COVID-19. Especialistas médicos descobriram que ela havia perdido toda a mobilidade de sua laringe devido a uma condição chamada paralisia bilateral das cordas vocais, considerada uma "consequência descendente" do COVID-19.

O caso, documentado no jornal médico 'Pediatrics', destaca a importância de considerar complicações menos comuns em crianças após o diagnóstico de COVID-19.

Danielle Reny Larrow, uma das autoras, enfatiza a necessidade de avaliar queixas respiratórias, de fala ou deglutição, pois tais sintomas podem ser erroneamente atribuídos a diagnósticos mais comuns, como asma.

Andrea Piacquadio / Pexels

Intervenção

A paciente passou por uma extensa bateria de exames, incluindo análise de líquido cefalorraquidiano, após não obter resultados positivos com a terapia da fala, como lembrou o New York Post.

Eventualmente, ela submeteu-se a uma traqueostomia, criando uma via aérea artificial no pescoço, recorrendo a essa medida de respiração artificial por 15 meses.

O Dr. Christopher Hartnick, autor sênior e diretor do Centro de Pediatria Otorrinolaringológica e Centro Pediátrico de Voz e Deglutição no Mass Eye and Ear, destacou a excepcionalidade do caso.

Após a intervenção, a paciente conseguiu respirar sem o dispositivo, marcando uma recuperação notável a tempo de participar da formatura e do baile de formatura do ensino médio.

A paralisia das cordas vocais associada ao COVID-19 é mais comum em adultos e geralmente é causada por condições de danos nervosos chamadas neuropatia pós-viral. Este caso único em uma adolescente lança luz sobre possíveis complicações inesperadas que podem surgir nos casos pediátricos de COVID-19, ressaltando a importância de uma consciência mais ampla dentro da comunidade pediátrica sobre os efeitos neurológicos a longo prazo do vírus em crianças.

Christopher Hartnick conclui que a compreensão de que crianças podem sofrer efeitos neurotróficos de longo prazo do COVID-19 é vital para garantir um tratamento eficaz em casos pediátricos.

Este caso único destaca a necessidade de maior pesquisa sobre as complicações neurológicas em jovens afetados pelo vírus, uma vez que continuamos a entender as ramificações do impacto do COVID-19 em diferentes grupos etários.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos