MP pede prisão de enfermeira que não teria aplicado imunizante

Por Metro com Estadão Conteúdo

O MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) denunciou e pediu à Justiça a prisão preventiva da técnica de enfermagem Rozemary Gomes de Pita. Ela foi indiciada pela Polícia Civil na semana passada por peculato – desvio de bem público – e crime contra a saúde pública.

QUER RECEBER A EDIÇÃO DIGITAL DO METRO JORNAL TODAS AS MANHÃS POR E-MAIL? É DE GRAÇA! BASTA SE INSCREVER AQUI.

A profissional da saúde é investigada no caso de aplicação de “vacina de vento” durante a campanha de imunização contra a covid-19 em Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. De acordo com as autoridades, ela não aplicou o imunizante em um idoso no dia 12 deste mês, somente simulou a inserção do líquido. A família registrou em vídeo o momento da “aplicação” e compartilhou nas redes sociais.

A secretaria municipal de Saúde informou que a enfermeira foi demitida após a conclusão do inquérito na Polícia Civil.

‘Fura-fila’

A Polícia Civil do Rio realizou ontem uma operação para cumprir mandados de busca e apreensão contra dois diretores da OS (Organização Social) Instituto Sócrates Guanaes e do Hospital Estadual Azevedo Lima, em Niterói. O motivo é apurar uma denúncia de “fura-fila” na vacinação contra a covid-19, que teria beneficiado familiares.

A ação ocorreu tanto na residência dos acusados quanto no hospital gerido por eles. A intenção dos agentes é apreender documentos e outras provas que comprovem a prática.

A investigação começou a partir de uma denúncia do Coren (Conselho Regional de Enfermagem) do Rio de Janeiro. A entidade informou que dois filhos de diretores, de 16 e 20 anos, foram vacinados mesmo não pertencendo à lista prioritária da atual fase da campanha.  

Loading...
Revisa el siguiente artículo