Governo de São Paulo pensa em adiar aplicação de 2ª dose da Coronavac

Por Metro World News

O governo de São Paulo vai pedir para o Ministério da Saúde adiar a aplicação da segunda dose da vacina Coronavac, usada no combate ao novo coronavírus, para um intervalo superior a 28 dias. A medida tem como objetivo ampliar a base de profissionais da saúde a receber a primeira dose. A informação foi dada durante entrevista coletiva, realizada no início da tarde desta quarta-feira (dia 27), no Palácio dos Bandeirantes.

Segundo o coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus, Paulo Menezes, é possível pensar que a segunda dose dada em uma data posterior a 28 dias seja até mais eficaz.

Leia também: 

Se aprovada, a medida faria com que todo o efetivo de doses de vacina no País pudesse ser aplicado. Hoje a recomendação é que apenas metade do estoque seja utilizado, visando justamente a reserva para a segunda dose.

O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, que também participou da coletiva, afirmou que a equipe do ministro da Saúde, Eduardo Pazzuello, ainda não fez contato para tratar da compra de mais doses da Coronavac. Se o governo brasileiro não sinalizar intenção de compra até a próxima semana, o Butantan terá de vendê-las para outros clientes. O instituto tem um acordo com a parceira chinesa Sinovac para a compra de mais 54 milhões de doses do imunizante.

Guedes prevê novo auxílio, mas com cortes no orçamento

Guedes prevê novo auxílio, mas com cortes no orçamento

Pandemia. Ministro diz que ajuda emergencial será necessária se imunização for lenta e mortes não baixarem. Bolsonaro apoia compra de doses por empresas, mas laboratório descarta venda

Loading...
Revisa el siguiente artículo