Foco

Em Curitiba, vereadora acusa colega de agressão sexual na Câmara

O vereador Professor Galdino (PSDB) foi conduzido nesta quarta-feira  pela Guarda Municipal à Delegacia da Mulher, após a vereadora Carla Pimentel ( PSC) tê-lo acusado de agressão física e sexual. O caso ocorreu dentro de uma sala na Câmara, em Curitiba, na presença de outros parlamentares.

ANÚNCIO

Galdino estava mostrando aos colegas um ‘santinho’ da campanha do seu irmão e entregou um deles à Carla, que o teria guardado. Segundo o relato dos vereadores, depois disso ele se jogou por cima de uma mesa, supostamente para tentar reaver o papel.

“Ele deitou em cima da mesa, enquanto ela se afastava, mas acabou ficando presa contra a parede. Ele ficou deitado na mesa com as pernas para cima e se aproveitou: foi nítido, passou as mãos nos seios dela e depois foi descendo pela lateral do corpo”, disse Jonny Stica (PDT), “Ela ficou perplexa, sem reação”,

Recomendados

O vereador Rogério Campos (PSC) também diz ter visto a cena. “Ele foi passando as mãos no corpo dela, inclusive nos seios e nas partes íntimas, foi nojento. Ela ficou apavorada”, conta,

Ambos testemunharam na delegacia. Também estava presente o  vereador Bruno Pessuti (PSD), que confirmou a história.

Carla Pimentel  prestou a queixa na 1º Distrito Policial, próximo à Câmara, e depois na Delegacia da Mulher. Em vídeo publicado no facebook ela lembrou que Galdino já havia sido acusado de assédio sexual antes, por uma ex-assessora.

Ela também afirmou que na Câmara ele costuma fazer declarações ofensivas contra mulheres. “Eu e outras vereadoras já sabemos que era comum ouvir dele que ‘toda mulher é puta’, ‘toda mulher que trabalha na política não vale nada’, falou.

O vereador depôs e foi liberado. Ele negou qualquer toque de cunho sexual e alegou só estar em busca do ‘santinho’.

Galdino disse ainda ser vítima de uma armação devido às denúncias que vem fazendo contra a prefeitura. “Foi todo um circo armado, não aconteceu nada, eles inventaram isso. Esses vereadores sem voto querem se promover e estão desesperados porque não terão votos”. Galdino ainda acusou a vereadora de ‘apropriação indébita’ do ‘santinho’.

Repercussões

O vereador Jorge Bernardi (Rede) adiantou nesta quarta-feira que deve levar o caso ao Conselho de Ética da Câmara. O presidente da Câmara, Ailton Araújo (PSC), leu um trecho do regimento que pune assédio moral com a perda de mandato.

O PSDB publicou nota informando que um processo será aberto, “que poderá resultar na expulsão”. O partido destacou ainda que Galdino não é candidato neste ano  “uma vez que não obteve legenda”.

Segunda acusação

Em 2009 Galdino foi expulso do PV, após ter sido acusado por uma ex-assessora da Câmara. Ela havia denunciado que ele fazia piadas e gestos sexuais, mas depois retirou o processo judicial, afirmando que não queria mais repercussão sobre o caso.

Tags

Últimas Notícias