Foco

Blitz ‘concentrada’ eleva em 85% as multas do Programa de Silêncio em SP

A concentração da fiscalização em poucas áreas e a nova  Lei de Zoneamento, que entrou em vigor em 23 de março, causaram disparada nas multas por barulho na cidade de São Paulo. Desde a entrada em vigor da nova legislação, o Psiu (Programa de Silêncio Urbano) aplicou, em média, 3,3 multas por dia na cidade, 85% a mais do que a média de 1,8 de 2015.

Foram 658 multas em todo o ano passado e 438 somente entre o final de março e julho deste ano.

Antes da Lei de Zoneamento, as ações eram baseadas na lei do ruído (que controla a quantidade de decibéis emitidos a qualquer hora do dia) e na lei da 1h  (que proíbe o funcionamento de bares e restaurantes sem isolamento acústico). Agora, os fiscais seguem as novas regras, que preveem multas de valores crescentes (veja quadro ao lado).

Recomendados

Mas essas mudanças não foram as mais importantes para o aumento das multas.

Segundo o coordenador do Psiu, Luiz Carlos Pepe,  houve um remanejamento na fiscalização. “Antes, atendíamos muitas subprefeituras por noite e agora visitamos de quatro a cinco. Ficava muito previsível que a fiscalização iria aparecer na vizinhança e muitos estabelecimentos fechavam.”

Pepe disse que o número de fiscais permaneceu o mesmo: 28 pessoas. As ações são programadas com antecedência, pois podem precisar de órgãos como polícia, Guarda Civil Metropolitana, Vigilância Sanitária e CET (Companhia de Engenharia de Tráfego).

Mas, para o vice-presidente de atividades técnicas da ProAcústica (Associação Brasileira para a Qualidade Acústica), Davi Akkerman, o aumento de multas não é um bom sinal. “O programa deveria ser mais educativo, e não priorizar apenas a fiscalização. Se existe aumento de multas, é porque os estabelecimentos continuam desconhecendo as regras.”

fiscal

Mapeamento

Lei sancionada em julho  obriga a prefeitura a elaborar o Mapa do Ruído Urbano da cidade em até sete anos. O estudo é uma ferramenta que vai ajudar a planejar, identificar e orientar os limites de ruídos em áreas diferentes da cidade. “Ele proporciona um olhar mais amplo. Trabalhar com denúncias pontuais é muito pouco para uma cidade tão grande como São Paulo” diz Akkerman. 

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos