Foco

Temporais no Sul já atingem 162 cidades; previsão é de geada

Os fortes temporais que atingem a região sul do país desde o dia 10 de julho chegaram a atingir ao menos 162 cidades nos três Estados. Segundo a Defesa Civil, 82 delas se encontram em situação de emergência.

No Rio Grande do Sul, os fortes ventos e o alto nível do lago Guaíba fizeram a Defesa Civil concentrar o trabalho na região das ilhas, especialmente na Ilha Grande dos Marinheiros, de onde foram removidas 80 pessoas. Em todo o Estado são 64 municípios afetados, com 51 mil pessoas atingidas e 2,8 mil em abrigos.

Em Santa Catarina, foram 59 cidades, sendo 19,6 mil pessoas afetadas, 1,4 mil desalojados (remoção temporária de suas casas) e 94 desabrigados (remoção permanente).

Já no Paraná, 48,2 mil pessoas de 67 municípios foram prejudicadas. Uma pessoa morreu em Araruna –noroeste do Estado– e 37 ficaram feridas.

Região Sul tem previsão de geadas

As temperaturas devem cair no Sul do país nesta semana, após vários dias de chuvas intensas na região. As áreas chuvosas se afastaram do Paraná e nesta terça-feiura as temperaturas devem ter uma queda acentuada com a previsão de formação de geadas fracas, segundo o Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar).

Os termômetros marcam em torno dos 10 ºC na região do município de Palmas, no sul do estado. A frente fria se desloca em direção ao estado de São Paulo e a previsão do Simepar é que as temperaturas voltem a aumentar na quinta-feira.

Após os temporais que atingiram o Paraná a partir do dia 10 de julho, o governo federal reconheceu, por procedimento sumário, a situação de emergência em 28 municípios do estado. As prefeituras de Manfrinópolis e Marquinho também decretaram situação de emergência.

Segundo a Defesa Civil do Paraná, mais de 48,9 mil pessoas foram afetadas em 67 municípios, 571 permanecem desalojadas e 114 desabrigadas. Duas pessoas morreram e 37 ficaram feridas. Mais de 3,9 mil casas foram danificadas e 18 destruídas por causa dos granizos, vendavais, tornados, enxurradas e inundações.

Em Santa Catarina, o ar frio e seco deixa o tempo estável com presença do sol, mas também há previsão de geada nas áreas altas do meio oeste, com temperaturas entre 2ºC e 4ºC, e planalto sul, com temperaturas de -3ºC a 3ºC, segundo o Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina.

De acordo com a Defesa Civil de Santa Catarina, 59 municípios foram afetados pelas chuvas e 26 decretaram situação de emergência. Os municípios mais atingidos – Coronel Freitas e Saudades – decretaram estado de calamidade pública. Maravilha também apresentaria decreto de calamidade pública, mas deve reavaliar para situação de emergência.

Um ciclone extratropical provocou ventos de quase 100 quilômetros por hora (km/h) em Laguna. Os temporais deixaram dois mortos e oito feridos. No total, mais de 19,5 mil pessoas foram afetadas, 1.440 desalojados (temporários), 94 desabrigados (permanentes). Segundo o levantamento preliminar da Defesa Civil, o número de residências danificadas ou destruídas chega a 1.263. Ao menos 85 empresas e 43 prédios públicos, incluindo escolas e unidades de saúde, foram atingidos. Também foram prejudicadas 628 estruturas públicas, como pontes.

Os prejuízos econômicos privados gerados somam R$ 12.994.626,89 e as perdas econômicas no setor público, R$ 25.921.68,00. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu alerta para o perigo potencial da massa de ar frio e seco que está sobre a região. No Rio Grande do Sul, o retorno das chuvas deverá ocorrer entre sexta-feira (24) e sábado (25). A partir de domingo (26), volta o tempo seco, por cerca de uma semana.

O Inmet emitiu alerta para o perigo potencial da massa de ar frio e seco que está sobre a região. No Rio Grande do Sul, o retorno das chuvas deverá ocorrer entre sexta-feira (24) e sábado (25). A partir de domingo (26) retorna o tempo seco por cerca de uma semana.

As chuvas dos últimos dias atingiram mais de 50 mil pessoas em 63 municípios do estado, dos quais 14 deles têm situação mais crítica. Aproximadamente 2 mil pessoas estão em abrigos, informou a Defesa Civil do Rio Grande do Sul. O governo do estado instituiu um gabinete de emergência e decretou situação de emergência coletiva em 26 municípios, até o momento.

Aproximação de frente fria provoca ventania e falta de energia no Rio

A aproximação de uma frente fria foi precedida nesta terça-feira de ventos fortes em diversos pontos do Rio de Janeiro, que chegaram a 82 quilômetros por hora (km/h) no Forte de Copacabana, zona sul da cidade, informou o Instituto Nacional de Meteorologia. Houve falta de energia em alguns bairros.

A Light informou, em nota, que restabeleceu o fornecimento de energia em trechos dos bairros da Tijuca, de Madureira e de Bangu, interrompido devido à ventania na cidade. Técnicos continuam trabalhando para normalizar trechos de Jacarepaguá, da Barra da Tijuca, de Campo Grande e de Santa Cruz. Segundo a concessionária Supervia, as sete estações do teleférico do Complexo do Alemão, na zona norte da cidade, ficaram fechadas, por medida de segurança, por cerca de duas horas, desde as 14h16, devido às condições climáticas.

O Centro de Operações da prefeitura informou que os ventos permanecem de moderados a fortes durante todo o dia. A temperatura terá queda acentuada a partir de amanhã (22) – a máxima prevista é 26º e a mínima, 15º. Segundo a prefeitura, depois de 15 dias sem chover, podem ocorrer pancadas de chuvas isoladas na noite de hoje.

O meteorologista do Alerta Rio, Nilton Moraes, explicou que há uma frente fria se deslocando desde ontem (20), da Região Sul para o Sudeste: “A frente fria está atuando entre São Paulo e o litoral sul do estado. Os fortes ventos ocorrem devido a essa aproximação”, disse Moraes. Amanhã a intensidade dos ventos diminuirá: ”O vento diminui e o céu fica nublado a encoberto, com chuvas fracas e isoladas em qualquer ponto da cidade.”

O Centro de Hidrografia da Marinha informou que ondas de 2,5 metros (m) a 3m devem atingir a orla da capital às 15h de amanhã e permanecer até às 15h de quinta-feira (23). A prefeitura lançou hoje um aplicativo do Alerta Rio, que vai oferecer informações, em tempo real, sobre clima, chuvas, ventos e até sobre o risco de deslizamentos de terra.

Para receber as informações, é preciso baixar o novo aplicativo para celular e tablets, que funciona nas plataformas Android e iOS. O serviço da prefeitura é atualizado com dados extraídos dos 33 pluviômetros espalhados pela cidade. Além disso, o Alerta Rio conta com sete sensores de umidade e temperatura.

De acordo com a Secretaria Municipal de Obras, o aplicativo ajuda a preparar operacionalmente a cidade em casos de chuvas intensas e promove melhorias nas condições de transmissão de informações e de manutenção da aparelhagem.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos