Entretenimento

Por que ‘Simplesmente Amor’ é o filme mais tóxico sobre o amor que muitos ainda idealizam?

É um dos filmes natalinos por excelência, mas o revisionismo fez com que ele tenha várias ‘red flags’ e estas são algumas delas

Do revisionismo neste século ninguém se salva. Aquele que condenou o machismo predador de ‘Don Armando’ em ‘Betty, a Feia’. Aquele que condenou Ross como um namorado horrível em ‘Friends’ e os galãs dos anos 90 como uns caras perigosos, não românticos. Isso também aconteceu com o filme de Natal por excelência, ‘Simplesmente Amor’.

Desde uma Keira Knightley de 17 anos e a disparidade de idade com seus parceiros românticos, ou vários artigos que apontam a falta de diversidade e sim papéis de gênero mais opressivos e convencionais (Vox, The Independent ou Refinery 29, entre outros meios), ou um tópico no Reddit, o filme já não tem o mesmo encanto “romântico” de vinte anos atrás. Mas o que aconteceu?

Os ‘sinais vermelhos’ de ‘Simplesmente Amor’ pelos quais o filme é criticado

Para começar, o personagem de Andrew Lincoln é meio assediador

Essa parte abaixo, dos bilhetinhos na verdade é meio assustadora: o personagem de Andrew Lincoln (futuro Rick Grimes) passa o tempo todo filmando secretamente o personagem de Keira Knightley sem que ela saiba.

E ainda, ele tem a imagem idealizada dela, apaixona-se pelo que ele acredita ser. E isso, mesmo quando o ator perguntou ao diretor Richard Curtis se não pareceria um perseguidor. E o diretor respondeu naquele momento que não.

Existe uma relação de chefe/empregada bastante questionável

Poderíamos começar com o caso do Primeiro Ministro Hugh Grant com sua funcionária, quando, com precedentes como o de Mônica Lewinsky, sabe-se que essas relações são mais de abuso de poder do que de igualdade.

Ou poderíamos continuar com o caso do personagem de Colin Firth e sua empregada portuguesa, que não fala e está disponível para "iluminar sua vida como a mulher exótica que alegra sua vida entediante", o que tem sido visto como um clichê de Hollywood.

Ou até mesmo, como a secretária do personagem de Alan Rickman o seduz e ele acaba comprando uma pulseira para ela, e sua esposa, interpretada por Emma Thompson, percebe isso em uma das piores cenas do filme.

O personagem de Liam Neeson tem muito a questionar como pai

Ou seja, ele está recém-viúvo, tentando dar conselhos ao enteado sobre como “conquistar” a garota da escola dele e em uma cena romântica que, apenas dois anos após o 11 de setembro, deixaria o pobre garoto em uma sala de detenção no aeroporto.

E não, insistir para alguém te amar não é um bom conselho. Mas isso não é o pior do personagem: é se apaixonar por Claudia Schiffer só porque sim.

Por que todos têm que se ‘apaixonar’ instantaneamente?

Com o tipo que vai para a América do Norte e conquista com o sotaque, acontece assim: belezas como January Jones se apaixonam instantaneamente. O mesmo acontece no caso do personagem de Colin Firth e sua assistente portuguesa.

Ou seja, ninguém se conhece. As tramas acontecem no mais previsível, clichê e problemático de tudo. O que faz com que muitos zombem das comédias românticas em si.

Faixa bônus: as únicas histórias que sobrevivem ao revisionismo

A história de Laura Linney resignando-se a não se deitar com o bonzinho de Rodrigo Santoro para cuidar de seu irmão com problemas mentais, é muito real. Muitos sacrificam seu prazer pela família.

O enredo de Billy Mack, um roqueiro politicamente incorreto, que encontra seu "amor" em sua assistente, são histórias que ainda ressoam muito com aqueles que não são fãs do filme.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos