Entretenimento

Scarlett Johansson se sentiu sexualizada por Hollywood no início da sua carreira

Ela diz que seus papéis em ‘Moça com Brinco de Pérola’ e outros trabalhos iniciais a fizeram se sentir excessivamente sexualizada como uma jovem atriz

Scarlett Johansson revelou frustrações sobre seu início de carreira em Hollywood, pois se sentiu prematuramente forçada a assumir o papel de uma loira sensual ainda muito jovem.

A estrela de Viúva Negra refletiu sobre seus dias como atriz iniciante no episódio de terça-feira do podcast Table for Two With Bruce Bozzi, lembrando que ela sentiu o desejo da indústria de sexualizá-la como uma “ingênua” quando ela tinha 18 anos. Ouça o podcast abaixo.

“Fiz Encontros e Desencontros e Moça com Brinco de Pérola - naquela época eu tinha 18, 19 anos - e estava entrando em minha própria feminilidade e aprendendo minha própria desejabilidade e sexualidade”, disse Johansson. “Acho que por causa dessa trajetória para a qual fui lançada, realmente fiquei presa nisso - e, parte da minha gestão na época, isso foi uma grande parte disso, minha agência e todas essas coisas - mas eu estava meio que sendo preparada, de certa forma, para ser o que você chama de atriz bombástica”.

Ela continuou: “Eu estava interpretando a outra mulher e o objeto de desejo. De repente, me vi encurralada neste lugar e não conseguia sair dele”.

Em Encontros e Desencontros, de Sofia Coppola, Johansson, então com 17 anos, interpretou uma jovem visitando Tóquio com o marido, onde conheceu um ator idoso (Bill Murray), com quem estabeleceu uma profunda conexão platônica. Em Moça com Brinco de Pérola, ela apareceu como uma empregada sedutora que se tornou o tema da pintura mais famosa de Johannes Vermeer.

Johansson também disse também em um episódio de outubro do podcast Armchair Expert de Dax Shepard que “definitivamente estava em atuações diferentes que não eram apropriadas para a minha idade”, quando ela era uma jovem atriz.

“Porque eu acho que todo mundo pensou que eu era mais velha e que eu estava [atuando] por um longo tempo e então eu meio que me enquadrei nessa coisa estranha de hipersexualização”, disse ela. “Foi tipo, esse é o tipo de carreira que você tem. Esses são os papéis que você desempenhou, e eu fiquei tipo, ‘é isso, eu acho’”.

A carreira posterior de Johansson a viu assumindo outros papéis complexos, como a esposa de um casal em guerra em História de um Casamento de Noah Baumbach, e a mãe de um menino alemão durante a Segunda Guerra Mundial em Jojo Rabbit, de Taika Waititi - ambos os quais renderam à artista indicações ao Oscar.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos