Entretenimento

Em Genebra, Angelina Jolie faz apelo por compromisso com as Nações Unidas

Angelina Jolie, representante especial da agência de refugiados das Nações Unidas, fez um apelo apaixonado nesta última quarta-feira (15), pelo internacionalismo, diante de guerras que expulsam as pessoas das suas casas e uma “maré de nacionalismo disfarçada de patriotismo”.

ANÚNCIO

A atriz de Hollywood, falando nas Nações Unidas em Genebra, pediu um compromisso renovado com a “imperfeita” organização internacional e com a diplomacia para resolver conflitos.

Leia mais:
Angelina Jolie pede mais esforços contra violência sexual em guerras
Angelina Jolie voltará a atuar e um de seus próximos filmes pode ser ‘Malévola 2’

Recomendados

«Se governos e líderes não estão mantendo a chama do internacionalismo viva hoje, então nós, cidadãos, precisamos”, afirmou ela durante a palestra anual Sérgio Vieira de Mello, em homenagem ao brasileiro das Nações Unidas morto num ataque a bomba em Bagdá em 2003.

«Nós vemos uma maré crescente de nacionalismo, disfarçada de patriotismo, e a volta de políticas incentivando o medo e o ódio de outros”, alertou a estrela.

Angelina Jolie não fez referência direta ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cujo governo está revisando o seu financiamento para as Nações Unidas e a sua participação no Conselho de Direitos Humanos da organização.

«Muito do medo que observamos hoje em relação a refugiados, estrangeiros, é produzido pela ignorância, geralmente alimentando políticos também”, declarou a ex de Brad Pitt.

«Temos que reconhecer o dano que fazemos quando minamos as Nações Unidas, ou a usamos de forma seletiva – ou de forma nenhuma –, ou quando confiamos na ajuda humanitária para fazer o trabalho da diplomacia, ou damos às Nações Unidas tarefas impossíveis e não a financiamos”.

Nenhum apelo humanitário para governos doadores no mundo tem recebido metade da quantidade necessária, afirmou ela. Operações em quatro países onde 20 milhões de pessoas estão à beira da morte devido à fome, no Iêmen, Somália, Sudão do Sul e Nigéria, estão seriamente subfinanciadas.

Tags

Últimas Notícias