Ciência e Tecnologia

Os saves de jogos salvaram a indústria dos videogames

A indústria de videogames caiu em um buraco tão fundo que acabamos refletindo sobre um herói não valorizado: os saves

Microsoft vs. Sony

ANÚNCIO

AVISO: Este texto é um artigo editorial com uma opinião totalmente subjetiva sobre qual é o estado atual da indústria de videogames e como uma mudança tão simples, mas determinante, como a capacidade de salvar jogos, acabou se tornando a base para a evolução dos jogos como os conhecemos hoje. Chegando ao ponto de pensar que talvez algo assim seja a chave para sair da situação em que se encontram atualmente tanto a Sony quanto a Microsoft.

ANÚNCIO

Vamos ser honestos, os colegas do Vida Extra publicaram recentemente um artigo imperdível, que mistura jornalismo e nostalgia, nos presenteando com uma incrível viagem pela evolução dos videogames nas últimas décadas. Começando pelos títulos mais rudimentares e curtos até os mais extensos e robustos, que era impossível terminar em uma única sessão.

Atari 2600
Atari 2600 Videogame clássico

À medida que a indústria de hardware cresceu, todos nós nos acostumamos a pedir cada vez mais em termos de processamento, armazenamento, exibição de cores, velocidades de carregamento e muito mais. Mas houve algo que realmente marcou um antes e um depois para o setor: a capacidade de salvar jogos para continuar mais tarde.

Partindo desse ponto de vista, não queríamos perder a oportunidade de compartilhar nossa perspectiva individual sobre esse assunto. Como uma maneira de enriquecer o diálogo sobre esse fenômeno.

Os saves de jogos são os alicerces mais sólidos da indústria atual de videojogos

No mundo dos videojogos, costumamos focar-nos nos avanços gráficos, na potência das consolas e nas novas experiências imersivas. No entanto, há uma mecânica fundamental que muitas vezes passou despercebida, mas teve um impacto revolucionário na forma como jogamos: a capacidade de salvar o progresso do jogo. É algo tão comum hoje em dia que parece que sempre esteve lá. Mas a verdade é que não foi assim.

Lembrem-se daqueles tempos em que os videojogos eram uma aventura de uma só oportunidade. One shot. Era o que tínhamos. Começar um jogo significava comprometer-se a terminá-lo no tempo que nos demandava, mas também nos colocava diante do perigo real de perder todo o progresso se algo corresse mal. Um corte de energia elétrica em casa, um toque acidental no botão de ligar da consola, um erro de sistema ou simplesmente um movimento errado podiam enviar-nos de volta ao início, com uma sensação de frustração monumental.

Quem escreve isso guarda em sua memória momentos de genuíno trauma com seu Nintendo Entertainment System (NES). Mas então, com a chegada da função de "salvar jogo", viveu uma mudança tão milagrosa quanto radical. De repente, os jogadores podiam pausar sua aventura, retomá-la mais tarde e continuar do ponto exato onde a tinham deixado. Como acontecia com o primeiro título de Zelda nesse querido console de 8 bits.

ANÚNCIO

Nintendinho Videogame

Isso abriu um mundo de possibilidades, permitindo explorar jogos vastos, experimentar diferentes estratégias e aprender com os erros sem ter que começar do zero toda vez. Mas a revolução não parou por aí. A invenção de senhas e cartões de memória nos deu ainda mais controle sobre nossos jogos.

As senhas permitiram-nos proteger o nosso progresso de outros jogadores, enquanto os cartões de memória, que reinaram na era da primeira PlayStation, nos deram a liberdade de levar os nossos jogos para qualquer lugar, partilhando-os com amigos e criando uma biblioteca pessoal de aventuras próprias e alheias. Eram os bons velhos tempos.

Aqueles pequenos cartuchos ou chips de memória guardavam mais do que simples dados de jogo; armazenavam horas de investimento, conquistas desbloqueadas, personagens personalizados e memórias que para a nossa juventude pareciam incontáveis.

Precisamos do equivalente moderno de salvar o progresso na indústria de videogames

gamepass Revolução

Em comparação com esses avanços para poder retomar o fio de nossa aventura a qualquer momento, a verdade é que os gráficos 3D, as unidades de armazenamento SSD, os gráficos com FPS máximo e o som de alta fidelidade, por mais impressionantes que sejam, parecem quase triviais.

Embora tenham melhorado a qualidade visual e o conforto de cada sessão, não tiveram o mesmo impacto profundo na experiência do jogador do que esta oportunidade de poder avançar no ritmo que melhor lhe convier a cada um. Isso é uma bênção e um privilégio sobre o qual quase não refletimos como jogadores de vídeo games.

A liberdade de explorar, experimentar e falhar sem medo das consequências, voltando a ser donos do nosso tempo e progresso. Uma mudança tão discreta quanto determinante é o que a indústria de videogames precisa hoje em dia.

Seria responsabilidade da Sony, Microsoft e Nintendo encontrar esse novo oásis. Aparentemente, talvez, nas possibilidades que a nuvem oferece.

ANÚNCIO

Recomendado:

Tags


Últimas Notícias