Ciência e Tecnologia

A surpreendente distância em que está o ‘Anjo’ galáctico capturado pelo Telescópio Espacial Hubble

A NASA e sua constante observação do Universo conseguem registrar um ‘Anjo’ nos confins de uma galáxia distante

Asa de Anjo NASA, ESA (NASA, ESA, AND THE HUBBLE SM4 ER/Europa Press)

ANÚNCIO

Um total de 34 anos de operação tornam o Telescópio Espacial Hubble um dos funcionários mais antigos da NASA e da ESA. Ele explora os confins do Universo desde o início dos anos 90 e continua registrando imagens surpreendentes das galáxias mais distantes nos vastos terrenos do cosmos.

ANÚNCIO

Recentemente, mesmo perto de seu 34º aniversário, a NASA relatou um impressionante "Anjo" capturado a uma distância que é muito difícil de assimilar.

Especificamente, o que o Telescópio Espacial Hubble captura é uma fusão de galáxias espirais. Ao se unirem, esses dois agrupamentos de estrelas produzem um efeito na imagem que parece formar uma asa de anjo. De fato, o nome científico da combinação de galáxias é VV 689, mas os próprios cientistas a apelidaram de "Asa de Anjo".

As correntes de gás e poeira que se estendem pelo espaço criam esta forma surpreendente, que tem cativado cientistas e o público em geral, informa o site oficial da NASA.

Estas duas galáxias estão se aproximando uma da outra há milhares de anos. Elas já estão interagindo uma com a outra e, quando o processo terminar, o resultado será a formação de uma nova galáxia elíptica gigante. Estão a uma distância de 650 milhões de anos-luz da Terra.

Angel Wing NASA/ESA Hubble
Angel Wing NASA/ESA Hubble

"Este sistema nos dá uma oportunidade única para estudar como as galáxias se transformam quando se fundem", disse o líder do estudo, Rupali Chandar, da Universidade de Missouri em Kansas City. "Podemos ver claramente a influência gravitacional das duas galáxias na forma de 'asa de anjo', e poderemos estudar como o gás, as estrelas e os buracos negros supermassivos se misturam nos núcleos das galáxias em processo de fusão".

A imagem do sistema VV 689 foi possível graças às capacidades únicas do Telescópio Espacial Hubble. O instrumento tem sido fundamental para o estudo do universo por mais de três décadas, e tem fornecido algumas das imagens mais espetaculares e reveladoras da astronomia moderna.

“O Hubble continua sendo uma ferramenta fundamental para a astronomia”, disse Chandar. “Ele revolucionou nossa compreensão do universo e nos permitiu estudar tudo, desde planetas em nosso sistema solar até galáxias na borda do universo observável. Esperamos que continue operando por muitos anos e nos fornecendo informações valiosas sobre o universo”.

ANÚNCIO

Recomendado:

Tags


Últimas Notícias