Ciência e Tecnologia

Planeta recém-descoberto pode explicar como a Terra se formou

Astrônomos encontraram um exoplaneta frio que orbita uma estrela visível da Terra

Exoplaneta
Exoplaneta NASA/ESA/JAXA

ANÚNCIO

A informação sobre a origem da Terra não está apenas dentro do nosso planeta, também pode ser encontrada a anos-luz de distância, em exoplanetas semelhantes que podem fornecer dados sobre a formação desse tipo de corpos celestes.

ANÚNCIO

Astrônomos da Universidade de Warwick, no Reino Unido, e do Instituto de Astrofísica de Paris descobriram, em um estudo publicado na revista Astronomy & Astrophysics, um exoplaneta pequeno e frio e seu enorme companheiro exterior, o que lança luz sobre a formação de planetas como a Terra.

A descoberta inclui um planeta com um raio e uma massa situados entre os da Terra e Netuno, com uma órbita potencial ao redor de sua estrela hospedeira de 146 dias. O sistema estelar também contém um grande companheiro externo, com uma massa 100 vezes maior que a de Júpiter.

"O planeta HD88986b tem um raio e uma massa entre os da Terra e de Netuno, e potencialmente transita diante de sua brilhante estrela hospedeira a cada 5 meses", explicou ao Metro Neda Heidari, bolsista pós-doutoral iraniana do Instituto de Astrofísica de Paris.

O novo sistema planetário foi descoberto em torno da estrela HD88986, que tem uma temperatura semelhante à do Sol, com um raio ligeiramente maior, e é brilhante o suficiente para ser vista por observadores entusiastas de alguns pontos da Terra.

"Orbita ao redor de uma estrela com uma temperatura similar à do Sol, o que o torna um precursor de planetas semelhantes à Terra", disse Thomas Wilson, do Departamento de Física da Universidade de Warwick.

De acordo com a pesquisa, trata-se de uma descoberta pouco comum, uma vez que os exoplanetas menores e mais leves do que Netuno e Urano são muito difíceis de detectar e apenas alguns foram identificados até o momento. Esses sistemas raros são especialmente interessantes para compreender melhor a formação e evolução planetárias; acredita-se que sejam um passo-chave para a detecção de planetas semelhantes à Terra ao redor de estrelas.

ANÚNCIO

"O planeta HD88986b torna-se um dos exoplanetas pequenos e frios mais bem estudados, abrindo caminho para o estudo de sua atmosfera e compreensão da semelhança com o nosso planeta Terra".

—  Thomas Wilson, do Departamento de Física da Universidade de Warwick

O HD88986b foi detectado usando o SOPHIE, um espectrógrafo de alta precisão (uma máquina que analisa as longitudes de onda da luz dos exoplanetas) do Observatório de Haute-Provence (França). O SOPHIE detecta e caracteriza os exoplanetas através do "método da velocidade radial", que mede as pequenas variações de movimento da estrela induzidas pelos planetas que a orbitam.

Os astrônomos também descobriram um segundo companheiro externo em torno da estrela central. Este exoplaneta é particularmente massivo (mais de 100 vezes a massa de Júpiter) e sua órbita tem um período de várias dezenas de anos, o que pode ter sido importante para a formação do HD88986b.

Principais características de HD88986b

-Este pequeno e frio planeta é menor que Netuno.

- Orbita em torno da estrela HD88986.

-Tem um raio e uma massa situados entre os da Terra e de Netuno.

-O seu diâmetro é aproximadamente o dobro da Terra.

-Tem uma temperatura atmosférica de apenas 190 graus Celsius.

3 perguntas a...

Neda Heidari.

Bolsista pós-doutor iraniano do Instituto de Astrofísica de Paris.

P: Como surgiu seu interesse pela astronomia e pela descoberta de planetas?

Foi em uma pequena biblioteca da minha escola em Arak (Irã) onde descobri meu sonho espacial e científico; lá eu trabalhava como bibliotecária apenas para me beneficiar do acesso ilimitado à seção de ficção científica e aos livros de Júlio Verne, cuja curiosidade e espírito visionário me inspiraram. Mantive meu interesse e estudei astronomia na universidade. Entre os diferentes campos da astronomia, o dos exoplanetas, este fascinante campo de estudo, me deixou tonto: após a descoberta de vários planetas, o universo parece tão grande, e qual é o nosso lugar nele? O que era ficção científica - encontrar Terras gêmeas, que talvez até abriguem vida - agora é um programa científico. Por isso escolhi a área dos exoplanetas, porque quero fazer parte do esforço para encontrar a resposta a uma das grandes questões fundamentais das humanidades: Estamos sozinhos no universo? A Terra é única?

P: Por que o HD88986b é considerado uma descoberta rara?

- Entre todos os planetas que descobrimos com medições precisas de massa e raio, há um viés em direção aos planetas com órbitas curtas. Apenas ~1% desses exoplanetas têm órbitas com mais de 40 dias, enquanto Mercúrio, o planeta mais próximo do Sol, tem um período orbital de 88 dias. A falta de descobertas nessa população representa um desafio para a pesquisa da demografia, formação e evolução planetárias. O aspecto mais notável do planeta interior, HD88986b, é que potencialmente detém o recorde do período mais longo entre os planetas pequenos bem estudados até o momento.

P: Por que este planeta lança luz sobre a formação dos planetas?

Devido à sua órbita longa, sofreu pouca perda de massa devido à forte radiação ultravioleta da estrela central. Portanto, poderia ter conservado sua composição química original, permitindo a formação e evolução deste sistema planetário. Esses cenários devem levar em conta a presença da companheira massiva. Além disso, com uma temperatura atmosférica de “apenas” 190 graus Celsius, o planeta HD88986b oferece uma oportunidade rara para estudar a composição das chamadas atmosferas “frias”, uma vez que a maioria das atmosferas detectadas em exoplanetas ultrapassam os 1.000 graus Celsius.

ANÚNCIO

Recomendado:

Tags


Últimas Notícias