Ciência e Tecnologia

“O segredo da juventude! ‘Genes Saltadores’ revelam a chave para uma vida mais longa”

O descobrimento de Barbara McClintock continua a revolucionar a genética e, agora, um recente achado revela a sua possível conexão com o processo de envelhecimento

Juventud

Há quase um século, a cientista Barbara McClintock abalou o mundo da genética ao descobrir os “genes saltadores”, fragmentos de DNA com a capacidade de se mover através do genoma.

Agora, um estudo realizado por cientistas da Universidade Eötvös Loránd da Hungria e publicado pela revista "Nature Communications", sugere uma conexão direta entre esses "genes saltadores" e o envelhecimento.

O que são os “genes saltadores”?

Barbara McClintock transformou a compreensão da genética ao descobrir que os cromossomos não eram cadeias estáticas, mas continham fragmentos de DNA capazes de se mover pelo genoma, alterando o funcionamento de outros genes.

Esses elementos, conhecidos como "genes saltadores" ou transposons, foram descritos por McClintock na década de 1920. Embora sua importância não tenha sido reconhecida até décadas depois, este descobrimento desempenhou um papel crucial na compreensão de doenças complexas e agora está abrindo caminho no estudo do envelhecimento.

A conexão dos “genes saltadores” com o envelhecimento

O estudo da Universidade Eötvös Loránd da Hungria revela como os “genes saltadores” afetariam o envelhecimento, juntamente com os possíveis métodos para frear ou pelo menos controlar o seu avanço.

De acordo com o estudo, os investigadores da Universidade Húngara, Ádám Sturm e Tibor Vellai, conseguiram identificar uma via genética, a Piwi-piARN, que ajuda a controlar e silenciar os transposons.

Da mesma forma, descobriram que esta via está ativa em células não envelhecidas, como células-mãe cancerígenas, e na surpreendente "medusa imortal" (Turritopsis dohrnii).

Ao aplicar a teoria em experimentos com vermes Caenorhabditis elegans, os pesquisadores usaram várias estratégias para inibir a ação dos ‘genes saltadores’. Por exemplo, ao se dirigirem a transposons específicos nestes vermes, foi notado um processo de envelhecimento mais gradual.

O mais notável é que, ao supervisionar múltiplos transpones simultaneamente, foi gerado um efeito acumulativo que contribuiu para a extensão da sua expectativa de vida.

Assim, este avanço poderia abrir novas perspectivas na medicina e na biologia, oferecendo a possibilidade de melhorar a qualidade de vida na velhice ao compreender melhor sua relação com o processo de envelhecimento.

Tags

Últimas Notícias


Nós recomendamos