logo
Social
Os tutores de Keith tiveram que trancar todos os armários da casa / Instagram @keith_the_cat_cow Os tutores de Keith tiveram que trancar todos os armários da casa / Instagram @keith_the_cat_cow
Social 14/09/2021

Tutores precisam trancar geladeiras e armários para impedir que o gato roube comida

Além de trancarem os armários, os donos também estão em um constante esforço para fazer o gatinho emagrecer.

Quando Sara Matthews adotou o gatinho Keith, ela sabia que o animal tinha alguns problemas médicos. O que ela não sabia era que precisaria tornar os armários de sua casa a prova de gato. Ao que tudo indica, o animalzinho tem uma pequena tendência a roubar comida.

Segundo notícia divulgada pelo Metro UK, Sara vem se esforçando para ajudar o animal a perder peso. Já foram diversas dietas e visitas ao veterinário, mas o gatinho passou de 5 para 10 Kg nos últimos sete anos.

“Temos travas infantis na geladeira desde que adotamos Keith. No início ele entrava sempre que você abria e eu fiquei preocupada de prender ele sem que percebêssemos. Com o tempo tivemos que colocar mais fechaduras em cada armário com comida dentro”, disse Sara.

Segundo a tutora de Keith não importa o tipo de maçaneta, ele sempre encontra uma forma de entrar no armário e “se enfiar nas sacolas de comida”. Ela também disse já ter feito diversas tentativas para garantir que o animal coma de forma saudável, todas elas sem sucesso.

Quando o gatinho foi levado ao centro de resgate onde Sara trabalhava como voluntária, ele estava subnutrido e tinha problemas gastrointestinais. Por este motivo, precisou ser colocado em uma dieta especial.

Ao que tudo indica, Keith não gostou muito e passou a escapar silenciosamente de sua gaiola para roubar a comida de outros gatos, o que poderia agravar sua situação.

Sara também conta que sua filha, Charlie, ficou apaixonada pelo gatinho. “Charlie se apaixonou por ele imediatamente, então eu o adotei para ela como um presente surpresa de aniversário”.

Desde o abrigo Keith tinha o hábito de roubar comida

Segundo Sara o animalzinho sempre teve o hábito de comer “qualquer coisa”, incluindo objetos estranhos. “Ele adora alimentos verdes, então nenhum vegetal estava protegido dele, mesmo que estivesse no fogão”.

Apesar de estar em uma dieta, com direito a comedouros controlados por chip na coleira, Keith decidiu rondar a vizinhança em busca de comida.

“Ele continuou crescendo. Descobrimos que ele vasculhava as lixeiras dos vizinhos porque achava que não estava sendo alimentado o suficiente em casa. Se eu oferecesse carne ou peixe fresco, ele não comia. Mas ele adorava pegar comida como crostas de pizza e coisas do tipo. Chegamos a colocar etiquetas nele pedindo às pessoas que não o alimentem”, conta Sara.

Quando Sara mudou de casa, decidiu que seria melhor manter Keith somente no ambiente doméstico, evitando que ele se envenenasse com comidas de fora de casa. Por outro lado, o gato acabou se tornando menos ativo.

Confira também:

Ela ainda conta que ao longo dos anos vem tentando descobrir as causas dos problemas de saúde de Keith. “Ele fez muitos testes nos veterinários, mas nada foi conclusivo. Achamos que ele pode ter um problema na glândula pituitária, mas isso não foi confirmado”.

Apesar de estar com alimentação limitada a 50g por dia, o esperto gatinho se mostra determinado a burlar a dieta. “Comprei alimentadores com microchips para meus outros gatos, que só devem ser acessíveis para o gato que usa a coleira específica. Keith encontrou quatro maneiras diferentes de entrar neles”.

Ela ainda entrou em contato com o fabricante que disse ser o primeiro caso em que isso acontece. “Ele descobriu uma maneira de enganchar a garra por baixo do comedouro e puxar a bandeja para fora”.

Apesar de seu tamanho, Keith é um gato muito ativo e adora brincar com Charlie. “Ela tem autismo e Keith é seu melhor amigo desde que veio para casa. Ele está ao lado dela o tempo todo, confortando e brincando com ela”.

Segundo Sara, atualmente Keith não tem problemas causados pelo seu excesso de peso, mas a família se preocupa com o futuro do animal. “Não queremos que ele desenvolva diabetes felina ou algo parecido”.