logo
Social
Reprodução: Osburne Laws via Daily Record / Reprodução: Osburne Laws via Daily Record /
Social 02/09/2021

“Senti a pele sendo arrancada da minha cabeça”, diz mulher que foi escalpelada em acidente de trabalho

Anna Mielewczyk, 25 anos, foi escalpelada por uma máquina industrial no ano passado. Somente agora a justiça da Inglaterra estabeleceu uma pena aos culpados.

O acidente de trabalho aconteceu no ano passado mas só agora o tribunal britânico estabeleceu uma multa a ser paga pela empresa de engenharia que empregava Anna Mielewczyk.

Anna Mielewczyk, 25 anos, felizmente se salvou de um grave acidente de trabalho provocado por uma máquina da fábrica onde trabalhava, a empresa de engenharia P&D Engineering, em Exhall, na Inglaterra. O acidente aconteceu por conta de uma falha no maquinário que quase custou a vida de Anna. “Minha vida foi devastada pelo que aconteceu comigo, mas meu empregador pode sair com uma multa de apenas 62.000 mil libras.Como isso é justiça?”, disse ela ao Daily Record

Anna disse que gritou de agonia depois que seu cabelo ficou preso em uma furadeira industrial, que a arrastou para dentro do maquinário da empresa. Ela relata que sentiu sua pele sendo arrancada de sua cabeça “como uma fita adesiva se rasgando” e teve medo de morrer.

O acidente aconteceu em setembro do ano passado, mas somente agora uma multa foi estabelecida pelo Tribunal de Magistrados de Coventry, após o julgamento de uma ação movida pelo Health and Safety Executive (HSE) contra a empresa de engenharia. O HSE argumentou que Anna sofreu ferimentos que mudaram sua vida, seu couro cabeludo e parte da orelha foram arrancados depois que seu cabelo se enrolou em uma broca giratória.

Leia mais notícias:

Uma investigação da HSE descobriu que as partes giratórias da broca não eram protegidas de acordo com a prática padrão da indústria. Como resultado, Anna precisou fazer nove cirurgias, que acabou levando à amputação de sua orelha.

“Meu chefe vai continuar com sua vida, mas terei que lidar com os resultados do acidente para sempre. Eu costumava amar a vida, sempre fui ativa, mas agora me sinto uma prisioneira em minha própria casa porque estou com medo de sair parecendo como eu”, disse Anna.

Ela acrescentou: “Eu estava trabalhando sozinha, quando ouvi um estrondo vindo de uma das máquinas. Eu virei minha cabeça de repente e meu cabelo deve ter ficado preso em uma das brocas quando começou a puxar minha cabeça com força. Tentei arrancar meu cabelo da broca agarrando meu rabo de cavalo em desespero e pânico, mas a máquina estava indo tão rápido que não havia nada que eu pudesse fazer para resistir”.

“Não consegui alcançar a maçaneta para desligá-lo e comecei a ouvir o som horrível da minha pele sendo arrancada da minha cabeça, como uma fita sendo puxada da pele. É um som que nunca esquecerei. Eu gritava por socorro, mas havia muito barulho das máquinas e naquele momento pensei que fosse morrer. Pensei em como nunca mais veria meu parceiro e minha família novamente e perdi a consciência”, finalizou Anna.

A investigação de Saúde e Segurança da HSE também descobriu que a própria avaliação de risco da empresa para o uso da broca identificou que uma proteção deveria ser instalada, mas havia operado sem ela por vários anos.