logo
Social
Representação / Imagem de cocoparisienne por Pixabay Representação / Imagem de cocoparisienne por Pixabay
Social 28/07/2021

Mulher é derrubada por uma gaivota enfurecida

A ave derrubou a mulher no chão enquanto a perseguia pelo centro da cidade.

Angela McQueen estava a caminho do trabalho quando foi atacada por uma gaivota. Segundo reportagem do Metro UK, acredita-se que a gaivota estava protegendo seu filhote recém-nascido.

A mulher relatou ter sentido o choque do animal e que caiu por causa do impacto. “Eu me levantei e estava indo embora, mas não sabia o que fazer para fugir”, relatou Angela. “Parecia que ela queria me expulsar daquela área. Estava bem na minha cabeça, gritando muito alto”.

A princípio, a mulher pensou que a ave estava sendo atraída pelos seus óculos e tirou os tirou. Ela ainda disse ter feito todo o possível para evitar o encontro com o animal. “Outras pessoas também foram atacadas pela gaivota, e parece que ela vai para cima de pessoas que estão caminhando sozinhas. Espero que não aconteça novamente”.

Comportamento comum de uma gaivota

Especialistas disseram que este comportamento, conhecido como “mobbing”, é comum nas gaivotas. Geralmente ele está associado à proteção dos filhotes. Um porta-voz da RSPB explicou que as gaivotas são pássaros extremamente protetores. “Os filhotes deixam o ninho antes de poderem voar, e as gaivotas mães tentam defender seus filhotes atacando qualquer ameaça”.

O especialista ainda informa sobre as melhores maneiras de lidar com gaivotas nervosas, “Pode ser muito assustador ser confrontado por uma gaivota, mas a melhor coisa a fazer é não se aproximar muito de gaivotas jovens no chão e se for preciso, ande calmamente enquanto segura um saco ou guarda-chuva acima da cabeça”.

“Eu também tento lembrar que estão apenas tentando proteger seus filhotes, dura apenas algumas semanas e elas realmente precisam de nossa ajuda ou, pelo menos, de nossa tolerância”, afirma. “As populações não urbanas de gaivotas-de-arenque diminuíram mais de 50% desde 1970 e continuam indo mal, junto a outras aves marinhas, devido a mudança nos suprimentos naturais de alimento”, finaliza o especialista

Confira também: