logo
Social
/ Reprodução / Pixabay / DenisDoukhan / Reprodução /  Pixabay / DenisDoukhan
Social 21/07/2021

Vídeo mostra sucuri gigante encontrada próxima de ninho de arara azul

Imagens foram registradas no Pantanal.

Uma grande sucuri, também conhecida como “anaconda”, foi flagrada deslizando próxima ao ninho de uma arara azul durante a expedição de alguns pesquisadores.

De acordo com o portal Socientifica, a pesquisadora Kefany Ramalho, do Instituto Arara Azul, foi surpreendida enquanto monitorava ninhos no Pantanal, no Matogrosso do Sul. A cobra estava perto da árvore que servia de casa para a ave.

“Olha o tamanho dessa sucuri gigante! Tranquilinha. Olha que coisa mais linda”, diz a pesquisadora no vídeo.

Juliana Terra, doutora em Ecologia pela USP, contou que no inverno é mais fácil avistar as sucuris gigantes.  

Novo:

“Não é nada atípico desse ano. Pelo contrário, é bastante comum e tem alguns motivos para isso. O principal é a temperatura, ao início de maio ou junho, quando vamos entrando em períodos de baixas temperaturas. (…) Então é assim, sempre antes ou após uma frente fria, é comum que elas utilizem as horas do dia do sol para se aquecerem”, explicou.

A verdade é que estes animais sempre estão presentes em áreas como a Amazônia e o Pantanal, mas elas são ótimas em se camuflar na água e permanecem imperceptíveis, pois são silenciosas.

Outros avistamentos de sucuris

Elas também podem ser vistas em tempos no período de acasalamento, nos quais os machos buscam as fêmeas. Elas são vivíparas e geram de 20 a 40 filhotes por ninhada, durante aproximadamente sete meses. Os filhotes nascem totalmente desenvolvidos e independentes.

Confira o momento em que diversos machos foram flagrados perseguindo uma fêmea:

A maior cobra do Brasil e a segunda maior do mundo é a sucuri-verde, que já foi encontrada na natureza medindo oito metros.

Confira mais:

Elas possuem uma mordida forte, mas não são peçonhentas (não possuem veneno) e matam suas presas por constrição, se enrolando nelas até imobilizar e impedir a circulação dos vasos sanguíneos dos animais, que acabam ficando sem oxigênio.