logo
Representação / Imagem de Michal Jarmoluk por Pixabay Representação / Imagem de Michal Jarmoluk por Pixabay
Social 20/07/2021

Restos mortais dos ‘Soldados Amaldiçoados’ são localizados

Restos mortais de adolescentes poloneses que lutaram contra Hitler e Stalin são desenterrados.

Restos mortais de jovens assassinados pela polícia secreta foram encontrados na Polônia. Conhecidos como “Soldados Amaldiçoados”, os combatentes da resistência foram executados e enterrados nas dependências da antiga prisão administrada pela União Soviética. Os corpos, que pertencem a vítimas de 19 a 20 anos, foram descobertos no jardim do local, localizado em Varsóvia.

A descoberta foi feita por investigadores que realizam a busca de vítimas do NKVD de Stalin e do Escritório de Segurança Pública da Polônia comunista. O professor Krzysztof Szwagrzyk, do Instituto de Memória Nacional da Polônia, é um dos responsáveis pela busca que ainda está para revelar “muitos segredos dramáticos”, conforme noticiado pelo Daily Mail.

A intenção do professor é de que toda área referente a antiga prisão seja analisada até o final deste ano. “Só então seremos capazes de dizer precisamente que não há mais restos humanos”.

Soldados Amaldiçoados: uma descoberta recente

As pesquisas do instituto foram iniciadas no ano passado e, até o momento, já localizaram os restos mortais de 20 vítimas. A ‘Tumba dos soldados amaldiçoados’, como ficou conhecida a descoberta, foi o mais recente achado da equipe.

Entre os anos de 1944 e 1956, a prisão foi utilizada pelo NKVD e pelo Gabinete de Segurança Pública para interrogar, torturar e assassinar combatentes da resistência, contrários ao regime soviético. Os ‘Soldados Amaldiçoados’, como ficaram conhecidos, resistiram pela primeira vez à ocupação nazista em seu país, mas após a derrota de Hitler eles se voltaram contra a crescente ameaça de Stalin e seus planos de dominação.

Confira também:

Por conta de seu posicionamento e papel ativo no combate ao regime de Stalin, eles foram caçados pela polícia secreta e foram executados, enviados para antigos campos de concentração e extermínio ou presos em uma das diversas prisões de guerra espalhadas pelo país.

Somente após a queda do comunismo, as condenações dos Soldados Amaldiçoados foram declaradas inválidas e anuladas pela lei polonesa.

Toledo: a prisão de Varsóvia

A prisão de Varsóvia, de nome oficial Prisão Penal e Investigativa, ficou conhecida como ‘Toledo’ devido a sua brutalidade. Cercada por torres de vigia e uma parede com 3 metros de altura, este era o mais severo de todos os centros de interrogatório comunistas.

A prisão ficou famosa por suas câmaras de tortura e pelas inúmeras execuções realizadas em um ‘bunker da morte’. Os corpos das vítimas foram enterrados em valas comuns encobertas pelo plantio de árvores.

Após 1956, a prisão foi transformada em uma penitenciária feminina, mas ao final dos anos 70 foi demolida e o terreno utilizado na construção de prédios.