logo
 /
Social 27/04/2021

Vídeo mostra como pássaros enfrentam píton para defender filhote

A ave surpreende cientistas!

Uma pessoa registrou o momento em que três pássaros protegeram um filhote de uma cobra que começou a persegui-los. A gravação foi publicada na semana passada  rapidamente se popularizou no Facebook.

De acordo com o Daily Mail, o incidente foi registrado por uma pessoa chamada  Tash Cotter , perto de  Darwin, na Austrália.

“Equipe de pais protetores ferozes bem aqui”, dizia a legenda que acompanhava o vídeo que impressionou os internautas.

As imagens mostram como a os pássaros abrem as asas para intimidar o réptil, que não desiste e continua avançando na direção do filhote. Aos poucos, a cobra desiste do ataque.

Curlews vs snake

How brave are these curlews?! 😲🐍 Check out this stand-off between a snake and a group of bush stone-curlews near Dripstone, NT. "Fierce protective parent crew right here" ❤️ 📹 Tash Cotter (@tashysgirls), thanks for sharing!

Publicado por ABC Darwin en Miércoles, 21 de abril de 2021

A cobra foi apontada como sendo uma píton, espécie comum no território australiano e que se alimenta de diversos animais, incluindo aves e mamíferos de médio porte.

Já as aves protetoras foram reconhecidas como pássaros maçaricos, nome popular que denomina várias aves que pertencem à família Scolopacidae.

Uma ave que impressiona cientistas

Podendo chegar a 1 cm de comprimento e 88 cm de envergadura de asas, esses pássaros usam seus bicos largos para se alimentar de pequenos invertebrados em áreas lamacentas.

Esta ave impressiona devido a sua capacidade de disseminar diferentes espécies de plantas por vários continentes, pois ela percorre grandes distâncias e carrega as sementes em suas fezes.

Um maçarico-do-papo-vermelho (Calidris canutos) ficou reconhecido pelos cientistas ao voar um percurso maior que distância entre a Terra e a Lua.

A BBC conta que o pássaro que já viveu o equivalente há cem anos humanos, viajava a cada ano entre o Ártico canadense e a Terra do Fogo, na Argentina, e superou de forma significativa a expectativa de vida para a espécie, que vem sofrendo um declínio devido ao excesso de pesca nos ecossistemas do qual depende.

Confira mais:

Monitorado por geolocalizadores que conseguem medir a latidude e longitude da localização das aves, a ave foi chamada de B95. Os cientistas calculam que ela percorreu 30 mil quilômetros por ano, o que multiplicado por 18 anos chegaria a 540 mil quilômetros, distância superior a que separa a Terra da Lua (384,403 km).

As descobertas apontaram que algumas aves conseguem voar da Patagônia aos Estados Unidos, ao longo de 8 mil quilômetros ou mais, sem paradas.

A bióloga argentina Patricia González disse os maçaricos-do-papo-vermelho ” mostram o que acontece com os ambientes onde param e, no dia em que estas aves desaparecerem, é porque nós também desaparecemos”.

É importante recordar que, segundo o Portal Amazônia, espécies maçarico estão ameaçadas de extinção na Amazônia e podem deixar de existir na fauna brasileira.