logo
/ Reprodução / Pixabay / DenisDoukhan / Reprodução /  Pixabay / DenisDoukhan
Social 20/04/2021

Vídeo de encontro com ‘anaconda’ enorme em rio brasileiro volta a se tornar viral

Gravação foi feita no rio Santa Maria

No mundo todo, as “anacondas”, também chamadas no Brasil de Sucuris, são reconhecidas como cobras impressionantes que se destacam principalmente pelo seu grande porte, que em casos raros pode chegar a 9 metros de comprimento.

Esta semana, um vídeo que mostra o encontro impressionante de pescadores com uma anaconda voltou a se tornar viral no YouTube. O animal do vídeo tinha pelo menos 5 metros de comprimento.

Vídeo foi considerado crime

De acordo com o Daily Mail, as imagens foram feitas em 2014 no rio Santa Maria, no Mato Grosso do Sul por um grupo que navegava pelas águas e ficou histérico ao avistar o animal.

Na época, os envolvidos foram multados pela polícia ambiental, pois eles importunaram a cobra com o remo do barco até que ela fugisse. Em uma versão mais completa, é possível ver que eles puxam cobra pelo rabo e a perseguem.

O advogado dos acusados afirmou que nenhum crime foi cometido: “Eles queriam mostrar como é a natureza, como o animal se comporta – mas não tinham malícia. Houve culpa, sim, negligência e imprudência, mas não intenção”, explicou.

No entanto, segundo o artigo 29 da Lei de Crimes Ambientais, matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, é crime.

Saiba mais sobre a Sucuri-amarela

Reprodução / Pixabay / DenisDoukhan

A espécie do vídeo foi identificada como uma Sucuri-amarela, que pode ser encontrada no Paraguai, Bolívia, nordeste da Argentina, Uruguai e Brasil.

Elas são carnívora e se alimentam principalmente de peixes, aves e mamíferos de pequeno à médio porte, como porcos-do-mato e capivaras.

Confira mais:

O Zoo Pomerode informa, esta cobra possui hábitos semiaquáticos. Por isso, ela quase sempre  é avistada descansando ou tomando sol em pedras nas margens ou em galhos sobre a água. Se assustadas lançam-se ao rio onde são mais ágeis e rápidas que na terra.