logo
/ Michel Spingler/Pool via REUTERS / Michel Spingler/Pool via REUTERS
Social 22/10/2020

Homenagem ao professor decapitado na França: Presidente promete defender liberdade que ensinou aos alunos

Três semanas após o ataque com uma faca que acabou deixando duas pessoas gravemente feridas nas proximidades da antiga sede da revista satírica “Charlie Hebdo”, a França mais uma vez ativou o alarme antiterrorista após descobrir o corpo de um homem decapitado na tarde desta sexta-feira, 16 de outubro.

De acordo com o Le Monde, a vítima, o professor Samuel Paty de um instituto de história e geografia, teria mostrado a seus alunos  as charges de Maomé em  uma aula sobre liberdade de expressão.

Na última quarta-feira (21), França prestou uma homenagem nacional ao professor na quarta-feira: “Vamos continuar, professor. Vamos defender a liberdade que você ensinou tão bem e vamos defender o secularismo, não vamos renunciar as charges” , declarou o presidente Macron na cerimônia que aconteceu na Universidade Sorbonne em Paris.

“Ele foi um daqueles professores que não esquecemos”, acrescentou Macron e também denunciou os “covardes” que levaram o professor a ser decapitado pelos “bárbaros”.

Segundo o Infobae, a acusação antiterrorista francesa pediu nesta quarta-feira a acusação de sete pessoas, seis delas por “cumplicidade em um assassinato terrorista”.

Entre eles estão o pai de um estudante, Brahim Chnina, e o militante islâmico Abdelhakim Sefrioui, além de dois amigos do assassino, Naim B. e Azim E., Yussu C. e um terceiro acusado, enfrentam a condenação de “associação de criminosos com em vista de cometer um crime contra as pessoas ”.

Da mesma forma, dois estudantes do ensino médio, acusados ​​de terem indicado, em troca de dinheiro, quem era o professor Samuel Paty para o jovem que o decapitou , foram acusados ​​de “cumplicidade” e colocados sob “controle judicial”.